2006/03/25

O mundo é pequeno e Paris é uma aldeia


Nunca tinha estado nos salões nobres do Hôtel de Ville de Paris, apesar de amigos que lá estiveram me garantirem que eram muito bonitos, e - confesso - foi esse originalmente o principal motivo que me levou a pedir um convite para a emissão especial, faz hoje três semanas, do programa Portugal no Coração, directamente dos mesmos salões para a RTP.
O que eu não faço por ir conhecer os salões nobres do Hôtel de Ville: ter de assistir ao Portugal no Coração, programa que, de facto, não costuma fazer parte das minhas preferências. Bem, assisti e dei o meu tempo por muito bem empregue. Está certo que tive de gramar alguma propaganda (política e não só) da praxe, com discursos cheios de "saudade" e de "Portugal sempre no coração". Mas é esse o programa... Só que, para além de nunca antes ter estado numa emissão de um programa ao vivo, assisti a alguns momentos musicais de qualidade (quero aqui destacar a fadista Ana Moura - sem parentesco! - que me pareceu francamente muito boa). Pena que no meio da exaltação dos emigrantes a Tony Carreira, porventura outros cantores tenham passado mais despercebidos.
Mas do que não estava mesmo nada à espera foi de conhecer um antigo bloguista (para quando o regresso?), comentador deste blogue - já o era antes de o conhecer - e do antigo BdE, o Manuel Resende. Bem fiel à sua forma de estar nos comentários (onde não "perdoa" erros de ortografia), o Manuel não deixava passar em claro nenhum dos pontapés na gramática, em português e em francês, dos apresentadores ou dos entrevistados. Por um feliz acaso sentei-me ao lado e tive o prazer de o conhecer a ele e à sua família.
Por tudo o que contei, um serão que antevia como uma seca motivada pela minha ideia fixa de conhecer os salões nobres do Hôtel de Ville - que, diga-se, são bem bonitos - acabou por se tornar bem agradável. Se calhar ainda vale a pena ter ideias fixas.

3 comentários:

Scorpio disse...

Em Paris, tudo é magnífico. Magnífico, belo, sumptuoso... Extraordinariamente sumptuoso, belo e magnífico o mijo e a água suja que escorre das escadas dos prédios à rua em Paris, basta descer do Sacré Coeur ao Pigalle, desviar os olhos um pouco e eis algumas das belezas sumptuosas desse magnífico Paris. São também belas, magníficas e sumptuosas algumas tapeçarias, móveis, quadros e loiças expostos em Versailles ou em Fontainebleu, já foi ver? São portuguesas essas maravilhas que os extraordinários franceses roubaram a Portugal aquando das invasões napoleónicas. A França é realmente magnífica se todos a olharmos como Renoir, bela e inocente... Alguma vez ouviu Moustaki? "Le methéque" diz-lhe alguma coisa? Somos sempre pueris enquanto só vemos uma parte da realidade, sabe? Pois é!

Nuno disse...

Pensei que fosses falar da Merche Romero...

himperia disse...

http://mercheromero.splinder.com