2006/03/16

Li e gostei

Hostilidade e Do relativismo, caso prático (também via Cibertúlia).
Sectarismo no Esquerda Republicana.
(Só uma nota. Cavaco tem o direito de escolher quem quiser para seu conselheiro, e não tem obrigação nenhuma de chamar conselheiros dos partidos que não o apoiaram. Nalguns casos as escolhas foram naturais e muito boas, como sejam Manuela Ferreira Leite e Marcelo Rebelo de Sousa. Mas eu tenho o direito de considerar outros conselheiros como de extrema direita. O presidente é um político eleito e como tal não tem de ser unânime; Cavaco não fala e jamais falará por mim. Mas as suas escolhas são significativas.)

1 comentário:

Emiéle disse...

Com franqueza não entendo tanto alarido. Primeiro as escolhas são pesoais. Já lá estão os que são por inerência. É lógico que o homem escolha as pessoas de quem mais gosta. E também é lógico que goste daqueles e não de outros - pois se andámos a fazer campanha dizendo que a criatura é "assim" agora esperava-se que desde que foi empossado passasse a ser "assado". É coerente com o que se esperava, nem mais.
Bom, é claro que nós podemos dizer que ele sendo coerente continuamos a não gostar dele...