2012/12/01

Parece que é dia do Banco Alimentar ou lá como aquela coisa se chama.


2012/11/03

Manchete do Público de hoje: "número de divórcios diminui". Manchete do I: "aumenta o número de assassinatos conjugais". Sou só eu que vejo aqui uma lei de conservação?

2012/10/16

Coisas que só sucedem no norte

Na caixa, a empregada do supermercado chama-me a atenção: "Olhe que isto são coentros! De certeza que quer coentros?" Face à minha confirmação, ela justificou-se: "a maioria das pessoas quer é salsa, e leva os coentros por engano".

2012/10/01

Está certo que nem toda a gente leu o livro e viu o filme, como eu fiz (e estou agora a deliciar-me com a excelente adaptação televisiva). Mas, ao ver numa banca de jornais a manchete da capa de uma dessas revistas de TV, "Gabriela trai Nacib com Tonico", ocorrem-me manchetes do tipo "O Primo Basílio: Juliana chantageia Luísa", "Os Maias: Carlos e Maria Eduarda são irmãos!", "Romeu e Julieta: protagonistas suicidam-se!" E por aí adiante.

2012/09/10

Eu nasci assim

Na televisão o "Dancin'Days", "O Astro" e, a partir de hoje, a "Gabriela". No governo, o FMI. Para regressarmos à minha mais tenra infância só faltam o general Eanes na presidência e o Sporting campeão.

2012/09/08

Mamãe, eu fui a Cuba e vi a vida lá


Um mês depois do regresso, e depois de já me ter passado a vontade de exterminar em massa taxistas e vendedores de charutos, creio que finalmente posso escrever sobre o país de Fidel Castro.
 Não pude escrever enquanto lá estive porque a internet custa seis dólares (mais corretamente seis CUCs – pesos convertíveis) à hora (e a ligação tem que ser feita através dos computadores deles – no meu caso, do hotel; internet sem fios é mais cara ainda).
 Se eu quisesse resumir Cuba numa palavra, essa seria “pobreza”. Mais do que quem nunca esteve num país do terceiro mundo pode imaginar. É preciso ir lá, e misturar-se com os cubanos – não ficar confinado num resort no Varadero – para uma pessoa ter o mínimo de noção do que se passa. Cuba é um país do terceiro mundo, e para quem como eu nunca tinha estado num país do terceiro mundo tal constitui um choque.
A maior falácia das descrições das viagens a Cuba da parte dos seus maiores críticos é que parecem esperar que Cuba não fosse um país do terceiro mundo, quando sempre o foi e sempre esteve rodeada de países que o foram. Quando comparada com esses países, em índices de desenvolvimento económico e humano, Cuba não se sai nada mal. A assistência médica e a boa educação não são um mito. Eu vi as escolas, as universidades, as urgências médicas em Havana abertas 24 horas por dia.
A diferença de Cuba para esses países outros países do terceiro mundo, ou emergentes, reside na ausência de uma classe média, que se traduz na total ausência de cubanos em atividades turísticas. No México ou no Brasil, para dar dois exemplos, existe uma classe média-alta que tem possibilidades de acompanhar os turistas em certos roteiros simples (nem que seja ir a uma discoteca). Mas no México 90 ou 95% da população não tem recursos para fazer os mesmos programas dos turistas (e no Brasil, antes do Lula, a mesma percentagem da população não teria, e ainda hoje uma grande percentagem não tem). A diferença é que, em Cuba, essa percentagem ronda os 100%. Cuba é portanto uma sociedade mais igualitária, e isso parece-me preferível. Matematicamente entre os 100% de Cuba e os 90 ou 95% de outros países do terceiro mundo não há grande diferença. Mas essa pequena diferença traduz-se numa grande diferença para o visitante, que em certas alturas em Cuba se vê totalmente rodeado de turistas, enquanto noutros países, mesmo do terceiro mundo, notaria uma presença mínima de nativos. Tal diferença ajudou a criar o mito, largamente difundido pela propaganda, de que em Cuba certos locais seriam proibidos aos cubanos e reservados aos turistas. Nada mais falso. Nenhum local é vedado à partida aos cubanos; se na prática é vedado, é porque eles não têm recursos para os frequentar (embora os museus e monumentos, por exemplo, sejam bem mais baratos para os cubanos que para os estrangeiros). Mas não é – eu pelo menos não vi nada que fosse – proibido.
A maior falácia das descrições de Cuba por parte dos seus apoiantes reside numa quase santificação do povo cubano. Como em tudo não se devem fazer generalizações apressadas. É verdade que não há roubos, mas há burlas. Há uma mendicidade disfarçada. Não vou dizer sequer que a metade das pessoas pede, mas a quantidade de pessoas nesta situação é maior que em qualquer outro país que eu conheça. Começam por nos perguntar as horas, e de seguida pedem-nos se lhes arranjamos um peso. Pedem ajuda, mas pedem sobretudo que façamos negócio com eles. E nesta forma são extremamente agressivos: entendem mesmo que temos que lhes comprar os charutos, ir dormir ao quarto da casa particular (legalizada) deles, apanhar o táxi deles. Chamam-nos, abordam-nos sem pedirem licença e não desistem enquanto estivermos à vista deles, mesmo que não lhes respondamos. Os taxistas, então, só nos largam se formos mal educados. Ao chegar a uma cidade das que visitei, tive literalmente de atropelar alguns com a minha mala de viagem para poder passar. Os cubanos entendem (bem) que os estrangeiros que os visitam têm mais dinheiro que eles. Uma boa parte dos cubanos, porém, faz tudo para lhes poder extorquir dinheiro. Também vi – a sério que vi – exemplos de dignidade e de solidariedade. Mas a dignidade e a simpatia generalizadas dos cubanos são um mito.
Finalmente: como já referi, procurei circular no meio do povo cubano, não me restringindo a locais para turistas. E posso garantir o seguinte. Numa ditadura, é de esperar que o povo viva assustado e com medo e Cuba, sendo uma ditadura (que o é – não o nego), não deveria ser uma exceção. Mas é. Em nenhum momento nenhum cubano me pareceu assustado ou com medo – digo-o com franqueza. A liberdade é um direito fundamental, mas não é o mais importante. Quando não sabemos como vamos sobreviver amanhã, nem nos preocupamos se somos livres ou não. E é assim que eu classifico o povo cubano – um povo tão pobre que nem se preocupa se é livre ou não. Um povo que não se pode preocupar com a sua liberdade, pois primeiro tem que se preocupar com a sua subsistência. E que não culpa o seu governo por isso, mas sim o embargo a que é sujeito. Conforme o afirmam vários autores (entre os quais diversos opositores ao regime) e eu concluo da minha experiência, aquele estúpido embargo é a maior garantia da longevidade do regime cubano.

2012/08/07

Caetano septuagenário

Não poderíamos deixar passar os 70 anos de quem dá o título a este blogue. Parabéns, ó Caetano!

2012/07/05

E, como não podia deixar de ser, descobriram o Higgs

Acabou o tesão de Higgs (expressão da autoria do Rui Tavares, que ainda há quinze dias escrevia que o Higgs nunca mais se encontrava). Toda a tesão tem um fim.

Na abertura dos telejornais só perdas de tempo com notícias triviais: autarcas que perdem mandatos, primeiros ministros vaiados em Braga... Da descoberta do Higgs, que vai colocar este dia na história, nada. Salvou-se a TVI, que sabe escolher as notícias importantes: anunciou um novo jogador para o Sporting.

2012/06/27

"A place called Alcochete"...

In 2002, Bento was a holding midfielder in the Sporting team that won the double under Laszlo Boloni. It was also the year the club opened the Academia Sporting for developing young players. It is a state-of-the-art facility with seven pitches and an on-site hotel for the players.

Sporting try to get players young, whether from the slums of Lisbon or by casting their scouting net wide, as they did in finding Cristiano Ronaldo on Madeira and Simao Sabrosa in the north of the country.

When found early enough, players are able to adapt to Sporting’s extraordinarily high technical standards. Off the pitch a team of tutors and child psychologists work on their educational development. The attention to detail is incredible: Ronaldo’s bone density was measured to see how tall he would get, and his training schedule was adjusted so as not to put too much strain on him during growth spurts.

When Bento retired from playing in 2004, he took over the youth team. He had played alongside graduates like Ricardo Quaresma, Custodio, Beto, Hugo Viana and Ronaldo and imbibed the Sporting way. He selected all five of those former team-mates in his squad for this tournament.

It was working with the next generation that Bento made his name as a coach. He won the youth title in 2005 and was promoted to first-team duties the following season. It was thought to be a short-term appointment but so successful was he that by the time he resigned in 2009 he was the second-longest serving coach in the club’s history.

The team was built around the players he had nurtured in the youth team. Rui Patricio was promoted as goalkeeper, Joao Moutinho came in as playmaker, Miguel Veloso as holding midfielder, and Nani was brought through to replace Ronaldo on the wing. With this group Bento oversaw four consecutive second-place finishes, two Portuguese Cup victories and Sporting’s first progress beyond the group stages of the Champions League.

Those Sporting players make up the core of the Portugal squad.

2012/05/23

"Sem piveda"


Vila Nova de Famalicão, 19-05-2012

2012/05/14

2012/05/10

Buarque por Bethânia



Concerto de Maria Bethânia, no coliseu do Porto, terça à noite. A abertura, como eu calculava, foi com "Rosa dos Ventos". Faltaram algumas que eu esperava, como "Trocando em Miúdos", "Bárbara", "Mar e Lua" e "Anos Dourados". Não faltaram as indispensáveis e sempre bem vindas "Cálice", "Teresinha", "Olhos nos Olhos", "Sonho Impossível", "Sem Açúcar" e "Maninha" (que só ela canta), bem como algumas surpresas como "Mambembe", "Gota d'Água", "Noite dos mascarados", "A Rita", "Cotidiano", "Minha história", "Roda Viva", "Apesar de você" (grande momento!) e "A Banda"! Tudo músicas que Chico já não canta ou é muito raro cantar. Acresce a este roteiro o samba-enredo que a Mangueira dedicou a Chico em 1998 e a versão completa (que pouca gente conhece) de "Quem Te Viu e Quem Te Vê." Um belo concerto por uma das melhores intérpretes do maior dos cantautores. E um bom aperitivo para o concerto que se aguarda em Setembro.

2012/04/23

De terras de sua majestade

Cambridge é um relvado. E uma graça. Excelente cientificamente. E não escondo uma certa emoção por ter visto o Stephen Hawking em pessoa.

Conforme eu já sabia, tudo o que Londres oferece também é oferecido por Nova Iorque. Esta última, porém, tem praia ao pé. E não tem o palácio de Buckingham. Gostei muito de Londres, onde só tinha estado uma vez, há 14 anos, por dois dias. A minha impressão da cidade melhorou muito.

De Gatwick para Londres e de Londres para Cambridge: a minha banda sonora no Reino Unido foi esta canção.

2012/03/25

Ai que saudades, ai ai...

Treinador adjunto: Pedro Gomes. Treinador principal: John Toshack. Guarda redes (e homenageado): Vítor Damas.

2012/03/15

2012/03/01

o Avesso do Avesso - seis anos num computador perto de si

De acordo com o sitemeter, 196676 visitas, 248142 carregamentos de página. De acordo com o motigo (não muito apreciado por alguns leitores...), 192449 visitas, 61,5% das quais de Portugal, 20,3% do Brasil, 3,2% de França, 3,0% dos EUA, 3,0% do Reino Unido, 1,8% da Suíça, 1,3% da Alemanha, 1,1% da Espanha, 0,6% da Holanda, 0,5% da Bélgica e 3,6% de outros países. 15,6% à segunda, 15,9% à terça, 16,0% à quarta, 15,7% à quinta, 14,4% à sexta, 10,9% ao sábado e 11,5% ao domingo. Mesmo se as postagens são mais escassas, desde que escrevo no Esquerda Republicana e, desde Janeiro, no A nossa fé, o Avesso do Avesso continua como o meu blogue pessoal. Muito obrigado a quem por aqui vai passando.

2012/02/29

A "nova república" de Rubem Fonseca

Rubem Fonseca na varanda da República (foto de Pedro Maia)
«Quando no final da cerimónia em que recebeu a Medalha de Mérito Municipal Grau de Ouro, "como reconhecimento da Câmara Municipal de Lisboa pela sua brilhante carreira", o escritor brasileiro Rubem Fonseca foi à varanda da República, do alto da Praça do Município levantou o braço e brincou: "Portugueses, proclamo a Nova República!"», escreve o Público. Felicito a Câmara Municipal de Lisboa pela decisão de homenagear este extraordinário escritor brasileiro, para mim o melhor escritor vivo de língua portuguesa. Escolhi um texto de Rubem para iniciar a minha participação num dos blogues portugueses "clássicos". Reproduzo-o parcialmente aqui:
Para livros de polícia (mais do que meros livros policiais) não conheço melhor autor do que Rubem Fonseca. Peguemos em Agosto (1990), edição portuguesa da D. Quixote. A personagem principal é o comissário Mattos, verdadeiro alter-ego de Fonseca, que foi policial antes de ser escritor. Algumas das teses de Mattos sobre o papel da polícia podem ser extraídas dos diálogos com os seus assessores. Por exemplo: "«Marido e mulher? Você vai dar um flagrante no sujeito apenas porque ele deu uns sopapos na mulher?» «Exactamente por isso. O facto de ser a mulher dele para mim é uma agravante.» (...)«Eu olhei a mulher e não vi nenhuma marca de lesão. (...) Garanto que a mulher vai ficar contra nós.» (...) «Todo mundo é contra nós, sempre.» (...) Autor, vítima, advogado e escrivão esperavam pelo comissário. «Então, doutor? Tudo resolvido?» «Tudo. Vamos continuar o flagrante.» «Doutor, meu cliente foi impelido por relevante valor moral, logo em seguida à injusta provocação da vítima. (...) Ela está arrependida, sabe que errou, pediu desculpas, o senhor não ouviu? (...)» «Esse crime é de acção pública, não me interessa a opinião da vítima. Vamos continuar o flagrante.» «Doutor, ela chamou o meu cliente de broxa [impotente]. Algum marido pode ouvir a própria esposa chamá-lo de broxa sem perder a cabeça? (...)» «Ninguém mais autorizado a chamar um sujeito de broxa do que a própria mulher.» (...) O flagrante foi lavrado, assinado (...). Mattos tirou um Pepsamar do bolso, enfiou na boca, mastigou, misturou com saliva e engoliu. Ele cumprira a lei. Tornara o mundo melhor?"
Há oito anos como hoje, leio o Rubem Fonseca e fico sem palavras. Recomendo vivamente.

2012/02/24

Afinal tudo não passou de um cabo mal ligado...

Alright, Neutrinos, The Jig Is Up! Destaco: "I have difficulty to believe it, because nothing in Italy arrives ahead of time." - Sergio Bertolucci, research director at CERN, on faster-than-light neutrinos

2012/01/18

Quando a claque tem mais tino que a direção

Estive no Sporting-Porto no outro sábado, a maior enchente da história do estádio Alvalade XXI, e onde foi realizada a maior coreografia alguma vez feita num estádio português. Foi possível com certeza gravar imagens muito melhores de adeptos do Sporting que as que o Público mostrou no corredor de acesso ao balneário da equipa visitante. A intenção intimidatória, ao escolher tais imagens, foi evidente. Mas também é evidente, no mínimo, o péssimo gosto de tais imagens, e a péssima imagem que dão do clube. Tal como bem afirma Rui Calafate, teria sido possível escolher muito melhores imagens ao livro da Juve Leo. As imagens divulgadas pelo Público (não quer dizer que sejam todas as imagens do tal corredor) foram escolhidas ou pelo menos autorizadas pela direção do Sporting. Sabemos que tais imagens correspondem, infelizmente, à realidade de muitas claques de muitos clubes. Mas não deveriam ser sancionadas, e muito menos apoiadas, oficialmente. A direção da Juve Leo sabe disso. Infelizmente, a do Sporting parece que não. Esclareço que apoiei a atual direção e creio que no geral tem sido feito um bom trabalho - ninguém duvida que o clube está melhor hoje que há um ano atrás.

2012/01/02

O meu balanço pessoal do ano de 2011

O Sporting tem destas coisas, que também revelam a sua grandeza e diversidade. Não é um clube do povo, mas só no Sporting é que se encontram tipos como Sousa Cintra ou Paulo Futre. Comparem o que se falava de Paulo Futre há um ano atrás e (graças às eleições do Sporting) o que se passou a falar. Ele é biografia, ele é participações em novelas, ele é t-shirts, ele é anúncios... Não tenho a menor dúvida em eleger o Paulo Futre como figura do ano de 2011. Quanto ao blogue do ano, para mim uma revelação (apesar de já existir há alum tempo), O Cacifo do Paulinho. Tornou-se leitura diária.