2009/12/31

O concerto do ano: GNR

Pensei iniciar 2010 ao som dos Xutos, mas a hemorragia do Zé Pedro - a quem desejo rápidas melhoras - mudou-me os planos. Concertos dos Xutos já fui a muitos, o último há mais de dois anos. Mas 30 anos são 30 anos.
Só fui a um concerto dos GNR (que substituirão os Xutos na passagem de ano na Torre de Belém). Foi um excelente concerto - reportei-o aqui. Foi sem dúvida o melhor concerto a que fui neste ano para mim pobre em concertos (talvez por me ter mudado para Braga?). Mas será provavelmente o mesmo concerto do São João. Ver o mesmo concerto num intervalo de tempo tão curto, só com o Chico Buarque. Prefiro um programa mais caseiro, em casa de amigos, com vista para o fogo de artifício do Parque das Nações. Mas não poderia recomendar mais o concerto dos GNR logo, para quem ainda não o viu.
Bom 2010 para todos.

2009/12/30

O concerto fracassado do ano: Gal Costa

Um mês depois encontro tempo para recordar o concerto de Gal Costa, na Casa da Música, no Porto. Sabia que incidiria principalmente sobre músicas da bossa nova. Mas não esperava que fosse a este ponto: só no encore (de um concerto curto), e a pedido do público, é que se ouviram músicas com que podemos identificar Gal Costa: Festa do Interior, Um Dia de Domingo e Modinha de Gabriela. Só no fim é que eu tive a sensação de estar num concerto de Gal Costa. Antes, era Gal Costa a interpretar um concerto de João Gilberto. E eu, entre Costa e Gilberto, prefiro Gilberto. Pelo menos a interpretar as suas músicas - Gal não lhes acrescentou nada. Assisti a um concerto de Gal Costa (algo que queria fazer há anos). Mas acho que não escolhi o concerto certo.

2009/12/29

A ler, n'"A Bola"


Por estes dias, Barcelona e a Catalunha vivem em suspenso da decisão do Tribunal Constitucional sobre o novo Estatuto da Catalunha - que, à luz da Constituição Espanhola, só pode ser declarado inconstitucional, porque aquilo é praticamente uma declaração de independência, que faria a inveja de A. J. Jardim. Mas as coisas chegaram a tal ponto, que o próprio Zapatero torce para que o TC não veja o que todos vêem e não ouse afrontar os demónios catalães - mal adormecidos desde que, em 1640, Castela teve de optar entre opor-se à reconquista da independência portuguesa ou enfrentar o autonomismo catalão, e escolheu travar e vencer os revoltosos da Catalunha, deixando Portugal para os Braganças. Não por acaso, as reivindicações autónomas em Espanha estão directamente ligadas à riqueza das regiões: são os ricos do País Basco ou da Catalunha que querem ser independentes do poder fiscal de Madrid, para não terem de pagar impostos a favor dos pobres. Também em Itália, é o norte rico que se quer ver liberto de ter pagar a favor do Mezzogiorno, e em Inglaterra é a Escócia que quer ser independente do Midwest deprimido. A autonomia regional é quase sempre uma revolta dos ricos contra os pobres e contra o Estado central, cuja tarefa fundamental é distribuir a riqueza por todos. É por isso que eu sou ferozmente anti-regionalista, porque não tenho a mais pequena dúvida de que, ao contrário do que imaginam alguns incautos ou oportunistas, a regionalização lançaria Lisboa e o Porto contra todos os outros e ai dos alentejanos ou transmontanos, sem a República a protegê-los!
(Miguel Sousa Tavares, A Bola, 01-12-2009)

2009/12/24

Boas festas

Absoluta falta de tempo, motivada por concentração de trabalho no fim de ano, tem impedido que a minha escrita mantenha a regularidade habitual durante o mês de Dezembro. Mesmo assim, não quero deixar de desejar boas festas e um feliz ano novo a quem por aqui passar.

2009/12/16

Duas ou três coisas sobre o “caso Berlusconi”

Não posso de forma nenhuma apoiar acções como a de que o primeiro ministro italiano foi vítima. Mas o facto de ter sido vítima deste acto tresloucado não faz de maneira nenhuma de Berlusconi um herói, ao contrário do que afirma Ferreira Fernandes. Herói teria sido se enfrentasse uma multidão adversa. Mas o acto de Silvio Berlusconi ao exibir a sua face ferida e deformada àquela multidão (mesmo se esta lhe fosse maioritariamente adversa) não é um enfrentamento: o ataque de que Berlusconi foi vítima foi, claramente, um acto isolado, de uma pessoa. Não foi nenhum linchamento popular. Berlusconi não se esconder, repito, não tem nada de heróico.
O autor deste lamentável incidente foi identificado e, dentro da sua (in)imputabilidade, foi ou vai ser responsabilizado pelo seu acto. Entretanto parece que o autor já tem mais de 30000 “amigos” no Facebook. Quantos destes “amigos” eram capazes de praticar e dar a cara por um acto destes? Tornar-se amigo no Facebook, escrever em blogues, comentar em jornais é muito fácil. Diz-se que o governo de Berlusconi foi o responsável pelo esmagamento dos protestos de Génova, em 2001. Como tal, quem lá estava “sorri” ao ver Berlusconi “esmagado”. Eu não estava em Génova em 2001, mas estava na Assembleia da República em 1993 (com muitos colegas de curso de membros deste blogue), quando o governo de Cavaco Silva também esmagou brutalmente, sem justificação, protestos contra a lei das propinas. Os subscritores portugueses deste grupo do Facebook também estariam dispostos a atirar uma réplica da Catedral de Milão, ou do Centro Cultural de Belém, a Cavaco Silva, assim que o vissem? (Este não é um apelo à violência, que eu condenaria. É uma questão de retórica.)
Muito interessantes os debates que têm ocorrido sobre o assunto no Cinco Dias e no Arrastão (vale a pena ler os textos e os comentários), nomeadamente sobre o papel do Estado como agente da luta de classes (que eu recuso – o Estado deve ser neutro) e monopolizador da violência. Não se pode “acabar” com a violência, por isso ser “contra” ela não tem muita utilidade prática. Pode ser-se contra a violência indiscriminada e irresponsável – o recurso à violência tem de ser mesmo o último recurso, mas por não podermos acabar com a violência não podemos exluir este recurso. sendo assim, o importante é que quem recorre à violência o faça mandatado pela sociedade, seja sempre identificado e possa ser responsabilizado (ou os seus superiores hierárquicos) pelos seus actos perante a sociedade.

Uma semana depois, vale a pena ler o artigo (premonitório) de José Saramago sobre o "no B-day":

Itália não merece o destino que Berlusconi lhe traçou com criminosa frieza e sem o menor vestígio de pudor político, sem o mais elementar sentimento de vergonha própria. Quero pensar que a gigantesca manifestação contra a "coisa" Berlusconi, na qual estas palavras irão ser lidas, se converterá no primeiro passo para a libertação e a regeneração de Itália. Para isso não são necessárias armas, bastam os votos.

2009/12/03

Uma mentira, repetida em muitos blogues, acaba por se tornar verdade?

Alguém me pode explicar o raciocínio deste texto? De onde é que se conclui, das suas afirmações, que o deputado do PS conhece o teor das escutas? Ricardo Rodrigues está admirado, obviamente, por Manuela Ferreira Leite falar como se soubesse o conteúdo das escutas (não por "o primeiro ministro estar a mentir"). São coisas diferentes. Mas a má interpretação de um texto pega-se e repete-se. Esta gente não tem um mínimo de sentido crítico? A falta que faz a matemática obrigatória até ao 12º ano!

2009/11/30

2009/11/26

Os mesmos valores, prioridades diferentes

De leitura indispensável esta entrada do Arrastão. Da minha parte, não só por causa do texto do Daniel Oliveira em si, mas sobretudo por causa da discussão que se segue (no que diz respeito à Alemanha - o caso francês referido parece ser mais um fait-divers sarkozyano). Sobretudo com o comentadores Bossito e JP, com quem estou de acordo. Valores como a igualdade básica e a liberdade de imprensa não podem ser relativizados. Ao pé desta discussão fundamental - como deve a Europa tratar os seus imigrantes? - , a do véu islâmico (onde mais uma vez defendo a não relativização da igualdade básica) parece marginal. Mas sempre a vi como fundamental, pois evidencia as diferentes concepções sobre integração de imigrantes e diferentes culturas em vista. Esta é uma questão a que, cada vez mais urgentemente, a esquerda não pode fugir. Quanto mais tempo esta discussão demorar, mais a extrema direita subirá.
"Quem fala assim certamente nunca perdeu o emprego para mão de obra mais barata vinda do estrangeiro. O perigo da esquerda continuar a alimentar estas visões completamente irrealistas, alienadas e sem qualquer possibilidade de aplicação prática sobre as questões da imigração, está precisamente em deixar para as mãos da direita o exclusivo do tratamento do tema. Isso sim, assusta-me."

"O que se defende aqui (e reparará que a maioria defende uma solução de “bom senso”) é que a abertura é bem vinda desde que, pela sua quantidade, não degrade as condições de vida, e pela sua qualidade, não ponha em causa os direitos liberdades e garantias que tanto custaram a conquistar. (...)O argumento (do nosso lado digamos assim) é que quem defende o mesmo que o Daniel geralmente vive em locais pouco afectados por aquilo que defende (acontece o mesmo com a localização dos bairros sociais ou com a co-incineração. São óptimos mas niguém os quer ao pé de casa.)."

2009/11/25

A grande efeméride do dia faz dez anos

Era uma noite de Thanksgiving e eu estava nos EUA. Os meus colegas ainda hoje se recordam como eu repeti "Benfica lost..." a noite toda.

2009/11/24

Inside Arte e Ciência

Exposição na Cordoaria, em Lisboa. Com contribuições do Carlos Miguel Fernandes. Até hoje (Dia Nacional da Cultura Científica, para quem não sabe).

2009/11/23

Ontem, nas imediações do Estádio José Alvalade

Após o final do Pescadores-Sporting, jovens leoas gritavam "Carvalhal Allez" e comentavam "no final do jogo, o Sá Pinto obrigou-os [aos jogadores, presumo] a virem agradecer-nos!" De súbito carros com bandeiras do Sporting começam a apitar. Eu pasmo: esta gente está a comemorar assim a eliminação de um clube (por acaso um clube muito simpático e que muito me diz) de um escalão tão secundário que nem eu sei bem qual é? Estará o Sporting assim tão em baixo? Até que de dentro de um dos carros alguém anuncia às leoas: "Golo do Guimarães!" E a festa alarga-se. Disto é que o meu povo gosta.

2009/11/20

"Obrigada a todos! bjs, fiquem com Deus!"

Era com estas palavras que a actriz brasileira Mara Manzan se despedia dos leitores do seu blogue. Quando escreveu o seu último texto, dia 5 de Outubro, talvez não imaginasse que aquela era mesmo uma despedida definitiva.

2009/11/19

Como se deslocam os portugueses nas cidades europeias?

Há um mito – talvez seja mais correcto falar-se numa desculpa – para o hábito errado (pelo menos por parte de quem habita nas áreas metropolitanas de Lisboa ou Porto) dos portugueses se transportarem sempre de carro, para onde quer que vão. Não importa se os transportes públicos estejam cada vez melhores, pelo menos em Lisboa. O Metro está cada vez mais eficiente e com melhores ligações. Já se podem fazer transferências gratuitas entre autocarros. O serviço nocturno da rede de autocarros foi melhorado e ampliado. Os comboios suburbanos estenderam o seu serviço pela madrugada nas vésperas de fim de semana e feriados. Mas os portugueses – sendo que os lisboetas sem qualquer desculpa – insistem que o serviço de transportes públicos “não é adequado”. Dado que outros povos da Europa não exibem este comportamento e utilizam correntemente os transportes públicos, poderíamos ser levados a pensar que, apesar de tudo o que enumerei, o problema estaria nos transportes portugueses. Dado que “lá fora” se anda de transporte público, se tivéssemos transportes como “lá fora” talvez os usássemos. Quem continua a defender esta ideia (ou mais correctamente a usar esta desculpa) que explique este exemplo (a que cheguei via o Menos um Carro).

2009/11/17

A última bettencorada

...chama-se Carlos Carvalhal. Por favor não venham compará-lo com Jorge Jesus ou Jesualdo Ferreira. Estes treinadores chegaram ao Benfica e ao FC Porto na mó de cima, depois de terem feito excelentes trabalhos nos clubes por onde tinham passado antes. Ao contrário de Carvalhal, a cuja contratação eu talvez não pusesse tantas objecções há dois anos, mas que nesse período esteve dois meses num clube grego que ninguém conhece, onde não fez nada nem deixou saudades, e no Marítimo, onde ganhou dois dos 17 jogos que orientou. Carvalhal é um treinador à procura de relançar a carreira e, sem ofensa para o Marítimo, o Sporting não pode servir para relançar a carreira de alguém após uma passagem fracassada por este clube. Talvez sirva para relançar a carreira de quem treinou o Chelsea ou o Barcelona, mas não o Marítimo ou um clube grego que ninguém conhece. É isto que Bettencourt, o homem que, nas costas de Fernando Santos, foi contratar José Peseiro (após uma passagem desastrosa pelo Real Madrid), não percebe. Nem sempre concordo com tudo o que o Leão da Estrela escreve, mas admito que este é um sintoma de belenização.

2009/11/13

Há água na face oculta da Lua

É a descoberta mais entusiasmante do Ano Internacional da Astronomia. 40 anos após o Homem ter alunissado e lá caminhado, esta descoberta pode ser mais um grande passo para a humanidade e o seu futuro. A Lua não cessa de nos encantar. Os REM têm de começar a cantar "If you believe there is water on the moon..."

2009/11/12

Vitaly Ginzburg (1916-2009)


Talvez o mais ilustre discípulo de Lev Landau (imagem retirada da Wikipédia).

2009/11/11

Robert Enke (1977-2009)

Não fica no coração só dos benfiquistas. Recordo o excelente guarda redes, nascido na Alemanha de Leste, mas também o pacifista e o defensor dos direitos dos animais.

2009/11/10

20 anos depois - "Muro de Berlim: Os protagonistas da História"

Por Teresa de Sousa no Público:
Numa noite cálida de Junho de 1989, à beira do Reno, o chanceler alemão [Kohl] disse-lhe [a Gorbachov]: "Olhe para o rio. Simboliza a História (...). Pode erguer uma barragem, mas a água vai encontrar outra forma de chegar ao mar. É o mesmo com a unidade alemã e a unidade europeia." Ficou em silêncio. Despediram-se com um abraço.

François Mitterrand e Margaret Thatcher - Os que quase soçobraram

Se ainda havia dúvidas sobre as hesitações de Margaret Thatcher e de François Mitterrand perante a queda do Muro e a imparável unificação da Alemanha, que quiseram travar, a abertura antecipada dos arquivos do Foreign Office dissipou-as. A primeira-ministra britânica e o Presidente francês têm, no entanto, uma desculpa: a trágica História europeia da primeira metade do século XX. Dito de outra forma: a "questão alemã". Não foram os únicos. Nas suas memórias, Kohl diz que, de todos os aliados europeus, apenas um o apoiou imediatamente: Felipe González. Thatcher, que não acreditava na integração europeia, não via saída para o renascimento de uma grande Alemanha no coração da Europa. Fez tudo o que esteve ao seu alcance para convencer Bush a opor-se-lhe. Mitterrand, que acreditava na Europa, percebeu que o caminho era outro: amarrar solidamente a Alemanha à integração europeia. Kohl nunca perdoou à líder britânica, mas estabeleceu com o Presidente francês uma amizade que foi crucial para o futuro da Europa. Garantiu que a unificação europeia seria a outra face da unificação alemã.

2009/11/09

20 anos depois - "Foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos"



Era precisamente a noção do que era andar em liberdade e poder passar o Muro que dava a Freitas Branco a consciência exacta da situação vivida pela generalidade da população de Berlim: a separação absoluta. "A cortina de ferro existia, de facto. Para quem se deslocava a pé, o ponto de passagem de fronteira era a estação de comboios central, a Friedrichstrasse", diz este professor da Faculdade de Letras de Lisboa. "Numa mesma estação de metro e comboios, havia dois mundos completamente distintos, o mundo do socialismo e o mundo do capitalismo. As pessoas passavam a um metro umas das outras sem se poderem ver nem falar. A divisória era uma cortina de ferro que cobria parte da estação. A cortina de ferro de que Churchill falava estava ali, materializada. É algo que só vivido."

Mas não era só no muro que rasgava a cidade que o peso da ditadura se sentia. João Lourenço - "Eu não fui pelo PCP, nunca fui do PCP" -, que esteve em Berlim a estagiar um ano, a convite do director da Casa de Brecht, Werner Hesht, e do director do Berliner Ensemble, Manfred Wekwerth, afirma: "Senti uma segurança como nunca senti em cidade nenhuma do mundo. Os soldados nas esquinas, nas casas de vidro, davam segurança. Havia uma segurança dada pelo regime." Mas não esconde que essa segurança tinha um lado assustador: "Um dia acordei com o barulho e com o chão a tremer. Fui à janela, eram os tanques com mísseis a passar. Durante uns segundos pensei: é a guerra. Eram os preparativos para o desfile do 1.º de Maio."
"Todas as pessoas com quem contactei, fossem do partido ou não, tinham uma posição extremamente crítica em relação à burocracia e à incapacidade do sistema", afirma Mário Vieira de Carvalho, explicando que "a falta de liberdade de expressão não deixava reflectir a realidade e o criticismo não passava". Pormenoriza: "Nas reuniões debatiam e criticavam, mas não passava para cima. A corrente não era de baixo para cima, era de cima para baixo." Uma atitude de comando que era "a expressão de uma falsa consciência sobre a realidade" e também, segundo Vieira de Carvalho, "profundamente antimarxista".
Os seis portugueses que viveram na ex-RDA são unânimes em elogiar os benefícios proporcionados pelo socialismo real. É desse bem-estar e dessa qualidade de vida que sentem nostalgia.

2009/11/06

Só falta o Bettencourt

A última gaffe desta nódoa de presidente do Sporting é que «o futuro treinador do Sporting será "caucasiano"». Por que é que não pode ser preto?
Que sentirá Liedson, o jogador com mais categoria do paupérrimo plantel do Sporting, a ouvir isto?
Sousa Cintra tinha a desculpa de só ter a quarta classe. Soares Franco tinha a enorme vantagem de se saber dar ao respeito. Se era para termos um sucedâneo de Pedro Granger na presidência, se calhar até era preferível o original.

Adenda: transcrevo integralmente a crónica de Bruno Prata no Público.

Paulo Bento prestou o seu último serviço, mas Bettencourt não aprendeu a lição

A conferência de imprensa organizada para explicar a saída de Paulo Bento serviu para confirmar que o Sporting tinha um treinador com carácter, íntegro e corajoso, afinal de contas, nada que já não se soubesse. Mas também para se perceber que José Eduardo Bettencourt não aprendeu muito com uma situação idêntica passada há mais de quatro anos naquela mesma sala.
De facto, a única verdadeira diferença foi que Dias da Cunha decidiu, na altura, acompanhar José Peseiro na demissão, enquanto Bettencourt assumiu que nunca seria “capaz” de despedir um treinador cujo abandono considera uma “perda irreparável”. Por outro lado, Bettencourt confessa que Paulo Bento sai em resultado da sua própria lucidez e capacidade de ler a situação e de não misturar conhaque com trabalho. Independentemente do claro contra-senso, salta à vista que, ao dizê-lo, o presidente leonino acabou por reconhecer que a relação profissional entre o presidente e o treinador esteve e estaria sempre condicionada pela forte componente humana que os une. É uma assumpção que pode ser muito honesta, mas que parece estranha e muito discutível vinda de alguém que ainda há bem pouco desempenhava funções de grande responsabilidade no sistema bancário. E é-o também por partir de quem lidera uma Sociedade Anónima Desportiva, onde se exige um rigor e uma gestão pautada acima de tudo pelo pragmatismo e racionalidade.
Mais do que fazer a sua própria leitura da situação e apontar o caminho futuro, Bettencourt assumiu estar ali basicamente para fazer a homenagem de quem ia sair, um “momento doloroso”. O que parece legítimo e até lhe ficaria bem, não fosse a oportunidade ter sido também aproveitada para fazer uma espécie de ajuste de contas com muitos daqueles que foram criticando o clube e Paulo Bento e que, ironizou Bettencourt, “só têm certezas”. Um erro, porque o momento devia era ter sido aproveitado para contribuir para a pacificação da nação sportinguista, cuja generalidade dos seus membros até se têm mantido surpreendentemente pacientes face à deprimente incapacidade da equipa de produzir (bom) futebol.
Que Bettencourt se mostrasse afectado pelas circunstâncias até era compreensível, mas já não o foi vê-lo responder de forma excessivamente nervosa e desabrida a algumas questões colocadas pelos jornalistas, usando até expressões que não o dignificam. Vá lá que teve pelo menos a decência de pedir imediatamente desculpa, após responder ao jornalista do PÚBLICO que o próximo treinador será do “sexo masculino e caucasiano”. Bettencourt tem mostrado, desde a primeira hora, a intenção clara de utilizar um discurso e uma postura mais próximos dos adeptos anónimos, podendo isso até fazer parte da actual estratégia de conquista de novos sócios. Mas os seus excessos na verve e na postura começam a não agradar apenas àqueles que se habituaram a ver Alvalade como a sede de um clube elitista e aristocrata.
Pelo contrário, Paulo Bento distinguiu-se pelo discurso sereno e frontal, mesmo que aqui e ali algo redondo, como é hábito. Disse o que se impunha, mostrou lucidez até na forma como reconheceu ter cometido um erro quando não teve coragem de recusar o repto do amigo Bettencourt e acabou por colocar o coração à frente da razão. E principalmente quando deixou claro que não sai pelos maus resultados nem pela pressão dos adeptos ou da opinião pública ou publicada. Sai, digo eu, porque se sente impotente para reverter a situação. Daí ter insistido que se demite “pelos jogador e pelo Sporting”. Foi o último serviço prestado por um treinador a quem, no Sporting, só se fará a devida justiça daqui a algum tempo, quando a espuma dos últimos meses desaparecer. Então, talvez se venha a perceber melhor o que, a 300 quilómetros de distância, quis dizer Jesualdo Ferreira, quando afirmou que “a sua carreira começou hoje”...

Definitivamente a boa notícia do dia

Pedro Barbosa e Ribeiro Telles também se demitem.

O meu mister

Texto de Joel Neto na "Notícias Sábado".


A miséria da arte

O 'Artista' que matou um cão à fome vai repetir o acto - Ou NÃO! Depende de nós. Vê como.

Como muitos devem saber e até ter protestado, em 2007,Guillermo Vargas Habacuc, um suposto artista, colheu um cão abandonado de rua, atou-o a uma corda curtíssima na parede de uma galeria de arte e ali o deixou, a morrer lentamente de fome e sede. Durante vários dias, tanto o autor de semelhante crueldade, como os visitantes da galeria de arte presenciaram impassíveis à agonia do pobre animal. Até que finalmente morreu de inanição, seguramente depois de ter passado por um doloroso, absurdo e incompreensível calvário.
Parece-te forte? Pois isso não é tudo: a prestigiosa Bienal Centroamericana de Arte decidiu, incompreensivelmente, que a selvajaria que acabava de ser cometida por tal sujeito era arte, e deste modo tão incompreensível Guillermo Vargas Habacuc foi convidado a repetir a sua cruel acção na dita Bienal em 2009. Facto que podemos tentar impedir, colaborando com a assinatura nesta petição: http://www.petitiononline.com/13031953/petition.html
(não tem que se pagar, nem registar).
Para enviar a petição, de modo que este homem não seja felicitado nem chamado de 'artista' por tão cruel acto, por semelhante insensibilidade e desfrute com a dor alheia. 
Se puseres o nome do 'artista' no Google, saem as fotos deste pobre animal e seguramente também aparecerão páginas web onde poderás confirmar a veracidade da informação.

2009/11/05

Fórmula 1 2009


Por absoluta falta de tempo ainda não escrevi sobre o assunto - e o campeonato já acabou no passado fim de semana. Não diria mais do que o Pedro Fragoso. Parabéns ao Jenson Button pelo merecido campeonato.

2009/10/27

A praxe é, sobretudo, um negócio

Notícia do DN:
Os caloiros do ensino superior, em Viseu, estão a ser "usados para aumentar o negócio de alguns bares". As denúncias são dos próprios alunos que acusam os elementos do Conselho de Viriato, o órgão académico que deve zelar pelo cumprimento das regras da praxe, de organizarem festas com os caloiros "pelas quais recebem percentagens do consumo feito nos bares".
Alguns alunos, que também já denunciaram a situação junto da presidência do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), acusam Ana Pinto, presidente do conselho, de "organizar iniciativas da praxe em bares, para onde são levados os caloiros, recebendo depois percentagem pela despesa feita", contaram ao DN vários destes elementos, que temendo represálias, preferem ficar no anonimato.
A presidente do Conselho de Viriato, que para além de ser estudante no IPV, trabalha num bar de diversão nocturna na zona de Jugueiros, ao lado do instituto e onde funcionam mais de uma dúzia de bares, desvaloriza as acusações. "Os alunos praxados têm um percurso, vão aos bares, onde ouvem pessoas a falar sobre diversos temas. Se tiverem dúvidas são retiradas e depois seguem para outro bar", revela a estudante.
A presidente do Conselho de Viriato refere que as denúncias surgem de "guerras entre as casas de diversão nocturna que lutam ferozmente pela presença dos estudantes do ensino superior. E viram-se para mim porque eu oriento mais de 700 alunos e sou um alvo mais fácil", adianta. Embora considere as denúncias "difamatórias" Ana Pinto, que é estudante no Politécnico de Viseu há dez anos, garante que o Conselho de Viriato "vai tomar mais cuidado com as iniciativas que envolvem os caloiros".

2009/10/26

"Café Com Blogues" hoje n'"A Brasileira"

O "Café com Blogues" desta semana, programa da Rádio Universitária do Minho em que participo com o Luís Aguiar Conraria e o Gabriel Silva, vai ser gravado hoje à noite no café "A Brasileira" de Braga, pelas 21:30. Quem estiver pela zona que apareça - a entrada é livre! "É entrar, é entrar!"

2009/10/23

Novidades na blogosfera

O ilustríssimo João Gaspar regressou com o Macaco na Prisão.
Por outro lado, o não menos ilustre Nélson Sousa acabou com o Faxavor. Espero que regresse em breve.
O Marco Robalo (de cujo gabinete escrevo) e mais outros LEFTistas inauguraram o Elefante Quântico. A seguir sem dúvida.

2009/10/21

Michael Green sucede a Stephen Hawking

Numa altura em que um dos pioneiros da teoria das cordas perdeu de vez o tino, é bom ver que a gente com juízo ainda é recompensada. Michael Green, um dos grandes exploradores (e mestres) das supercordas, é o novo professor Lucasiano de Matemática na Universidade de Cambridge, sucedendo a Stephen Hawking, que se reformou e vai para o Instituto Perimeter no Canadá. Green (não confundir com o divulgador - embora também bom físico - Brian Greene) já era professor na Universidade de Cambridge, que optou assim por uma solução interna para a cátedra que já foi de Isaac Newton.

2009/10/20

A grande dúvida sobre o próximo governo

Que professor do Instituto Superior Técnico é que vai ser o futuro ministro da Ciência e Ensino Superior?

2009/10/16

Sobre o "caso Maitê Proença"

Eu nem queria acreditar quando assisti ao abespinhado apresentador Pedro Pinto, do "Jornal Nacional" da TVI, que constantemente referia a "ignorância" de Maitê Proença, numa apresentação "engajada" (Manuela Moura Guedes fez mesmo escola naquela casa). Em que é que consistia essa ignorância?
  • chamar "vilazinha" a Sintra? No português do Brasil, o diminutivo não é depreciativo (ao contrário de, por vezes, em Portugal). Pensem por exemplo nos jogadores de futebol - acaba tudo em "inho". Não há ofensa nenhuma (muito menos ignorância) em um brasileiro referir-se à "vilazinha" de Sintra;
  • dizer que em frente a Belém está "o mar"? Bem, se foi dali que Vasco da Gama partiu, a confusão é legítima. Ninguém sabe muito bem onde acaba o rio e começa o mar naquela zona - a estação de comboio da linha de Cascais chama-se "Alcântara-Mar" e não "Alcântara-Rio". De resto, logo no próprio vídeo a correcção é feita;
  • não saber que o 3 ao contrário é "místico"? Eu também não sabia. E acho que ela tem todo o direito a gozar com o misticismo;
  • a afirmação "o ditador Salazar esteve no poder mais de 20 anos" é matematicamente verdadeira. Sabemos que na linguagem comum "mais de 20 anos" quer dizer "menos de 30", o que relativamente a Salazar é errado. Mas mais grave seria não saber história portuguesa - Maitê tem, pelo menos, noções. Quantos dos que a criticam têm noções de história brasileira? E, já agora, quantos dos que a criticam sabiam que o padrão dos Descobrimentos é uma obra do salazarismo, como Maitê afirmou?
  • Maitê aproveitou para referir-se (num tom jocoso) aos portugueses que elegeram Salazar como "o melhor português de sempre". Creio que a irritação de muito boa gente vem daqui. Apostaria que os críticos mais indignados de Maitê que por aí vemos concordam que Salazar é o melhor português de sempre. Este episódio não pode ser totalmente compreendido sem considerar esta parte do vídeo.
O que eu achei mesmo de muito mau gosto foi a cuspidela na fonte do Mosteiro dos Jerónimos. Mas é uma atitude que só a desqualifica a ela, Maitê Proença. (Compreendo a indignação se se tratar da defesa do património - que péssimo exemplo!) Desqualifica-a a ela e às quatro apresentadoras do programa de televisão, que se riram acefalamente da coisa. Aliás, o vídeo é uma tonteria sem grande ponta por onde se lhe pegue. Não estou aqui a defendê-lo, e até acho bem que se mostre aos brasileiros que essa atitude de se queixarem de Portugal por tudo tem muito de infantil. Mas a quem protagoniza telenovelas como a "Dona Beija" tem que se desculpar muita coisa...

2009/10/15

Seinfeld no Twitter

Uma situação imaginada na Slate:

I Enjoy a Good Tweet
The cast of Seinfeld expounds on the latest Internet phenomenon.
By Frank Ferri
Posted Monday, Oct. 12, 2009, at 3:11 PM ET
INT. JERRY'S APARTMENT—DAY
ELAINE and JERRY are standing around JERRY'S kitchen counter. GEORGE is sitting on the couch typing on a laptop.
JERRY: Again with the Twitter?
GEORGE: What? I can't tweet?
ELAINE: No one said you can't tweet.
GEORGE: Jerry did. Jerry's got a problem with my tweeting.
JERRY: Please, tweet away. Tweet all you want. Tweet your heart out.
GEORGE: I will. I enjoy a good tweet.
ELAINE: Fine, but don't you think it's a bit much with the tweets?
GEORGE: Who are you? The queen of tweets? I think I tweet the perfect amount.
JERRY: You know, you've got to have something to tweet about in order to tweet.
GEORGE: I got plenty to tweet about, baby!
JERRY: No, no you don't. You see, you have the Twitter account and the laptop. But you don't have anything worthwhile to tweet about. No job, no girlfriend, no …

KRAMER enters, nearly knocking over JERRY as he stumbles into the living room.

KRAMER: Giddyup. (Notices George.) What's with Poindexter on the laptop?
ELAINE: He's tweeting again.
KRAMER: My God! You're tweeting all over the place!
GEORGE: I tweet just as often as the next guy. No one stops George Costanza from tweeting!
KRAMER: I ever tell you about my friend Bob Sacamano? Tweeted way too much. (Getting animated.) Tweeted like there was no tomorrow!
GEORGE: So?
KRAMER: (high-pitched) He's dead.
ELAINE: Death by Twitter?
KRAMER: You said it, sister.
JERRY: What's the deal with that 140-character limit, anyway? Like if it was 141, the Internet would break?
GEORGE: Ooh, that's good. Can I tweet that?

LAUGHTER. APPLAUSE. END SCENE.

2009/10/14

Nas Fronteiras do Universo

Ciclo de conferências na Gulbenkian. Hoje às 18 horas fala Alfredo Barbosa Henriques, meu professor de Relatividade e Cosmologia no Instituto Superior Técnico, sobre "O Universo de Einstein". Com transmissão directa online.

2009/10/12

Espinho

Foi finalmente concretizado um projecto muito antigo: o túnel da linha do comboio, que passou a ser subterrânea e deixou de dividir esta cidade em duas. Só que os responsáveis só se preocuparam com o soterramento da linha, e não com o planeamento do que fazer à supefície. Onde antes estavam as linhas de comboio (e uma estação bem bonita), agora está um descampado com vedações, que continua a dividir a cidade, é mais feio, e ninguém sabe bem o que vai lá ser feito. Creio que terá sido esta desorientação que custou ao PS este antigo bastião no conservador distrito de Aveiro.

Margem Sul do Tejo

O Bloco de Esquerda teve derrotas assinaláveis ao não eleger vereadores em Lisboa e no Porto. Só nalguns municípios da margem sul do Tejo atingiu tal desiderato, sendo que em Almada roubou mesmo a maioria absoluta à CDU, que desce à custa do crescimento do Bloco de Esquerda (não do PS). Vai ser um laboratório político interessante, Almada. Falta um vereador à CDU para a maioria absoluta. Elegeram vereadores PS, PSD e Bloco. Não me admiriaria se o acordo mais fácil fosse entre a CDU e o PSD.

Alentejo

No Alentejo, o PS é o voto útil da direita para derrotar a CDU. Já fora assim com Évora há doze anos. Foi agora com Beja e Aljustrel, onde a direita desaparece, sendo que no primeiro caso a CDU perde ganhando votos.

Lisboa

Tal como Carlos do Carmo e tantos outros lisboetas, costumava votar na CDU para as autárquicas. Desta vez votei no PS (e apoiei publicamente a candidatura de António Costa).
Tal como (quase que aposto!) Carlos do Carmo e muitos outros lisboetas, tenho pena que a CDU tenha perdido um vereador, mas não me arrependo de nada. Principalmente porque creio que votei (convictamente) num grande presidente de câmara, mas também porque, como se comprovou, o risco de vitória de Santana Lopes era real. E havia que não dispersar votos, para não voltar a suceder como em 2001. Já da não-eleição de vereadores do Bloco de Esquerda não tenho pena nenhuma. Em qualquer dos casos, o sectarismo foi penalizado.
Tal como (quase que aposto!) Carlos do Carmo e muitos outros lisboetas, votei na CDU para a Junta de Freguesia. Considero os meus votos muito bem empregues. Nenhum deles foi perdido.
Santana Lopes tinha razão ao apontar o "voto útil" em Costa (para a vereação) por parte dos eleitores mais à esquerda, principalmente da CDU, como se comprova com o muito melhor resultado que a coligação teve nas eleições para as freguesias. Já não tem razão nenhuma (e soa a delírio) falar num "acordo secreto" entre PS e CDU ou numa intenção deliberada do PCP em votar no PS para a vereação. Por um lado estes resultados fortalecem Santana: este voto útil mostra que era um adversário temível para a esquerda. Mas por outro lado tornam evidente que a principal preocupação de grande parte do eleitorado era que Santana não fosse eleito. Santana divide os lisboetas quase ao meio: uma parte significativa ainda gosta muito dele, mas a maioria sente por ele uma rejeição enorme. Por muito que já haja quem afirme o contrário, Santana é um dos grandes derrotados da noite.

2009/10/09

A minha declaração de voto em Lisboa

Voto em António Costa. Porque foi o único candidato que fez um esforço efectivo para unir a esquerda. Porque a eleição de Santana Lopes (que seria muito má para a cidade – o triunfo do automóvel privado) é um perigo real, que não se deve subestimar, pelo que não deve haver votos perdidos ou dispersados. Acima de tudo, porquje creio que Costa mostrou, nestes dois anos, que é um excelente Presidente. E, queira-se ou não, é Costa que tem marcado a agenda destas autárquicas lisboetas (o que, contra um adversário como Santana, é notável). Uma pequena mas significativa demonstração deste facto é o desmascarar definitivo das intenções políticas da corporação do automóvel (ao que este clube, que já foi respeitável, chegou!). Independentemente das óbvias motivações políticas do seu presidente, o ACP quer eleger os ciclistas como inimigos. E quem quiser esta guerra perde (é isso que eu costumo dizer aos meus amigos do Menos Um Carro – defender os peões e os ciclistas, mas sem declarar guerra aberta aos automobilistas: convencê-los). Por uma Lisboa sustentável e plural, o meu voto só pode ser em António Costa.

Debate sobre Lisboa (2) – as propostas de Santana

Não tenho a mínima saudade dos tempos de Santana Lopes à frente do município (enm fdo governo) e tudo farei para impedir o regresso ao poder do candidato que quer transformar Lisboa num imenso túnel. Mesmo assim, há duas propostas suas que vale a pena reter (e foram objecto de discussão no debate). Uma dessas propostas é a venda, por parte da Câmara, das habitações por esta detidas aos inquilinos que para isso se mostrarem interessados. Só é pena que Santana não estenda tal proposta a todos os senhorios e todos os inquilinos, mas somente à Câmara (após muitos anos de permanência numa casa um inquilino deveria ter a opção de a comprar e o senhorio a obrigação de a vender – por que não?). A proposta de Santana tem o mérito de ir contra o politicamente correcto (muitas vezes defendido por uma “esquerda”) de que a culpa pelo mau estado das casas é dos inquilinos que pagam rendas baixas. A outra é a não desactivação do Aeroporto da Portela (muito embora seja indispensável a construção de um novo aeroporto na região de Lisboa). Nesta proposta Santana junta-se aos outros candidatos de esquerda, contra António Costa. O que vale é que esta não é uma questão que dependa da Câmara Municipal de Lisboa (depende sobretudo do governo). Haveremos de voltar a ela.

Debate sobre Lisboa (1) – o outro António Costa

O debate de anteontem na RTP foi muito alargado. Excessivamente. Ficámos a conhecer candidatos que preferíamos desconhecer, como o do PNR (que se limitou a defender o uso do carro e a queixar-se da retirada dos cartazes xenófobos do seu partido – o que não é uma questão autárquica) e o do MMS (que por coincidência também se chama António Costa). Este último não sabe que o verbo “intervir” se conjuga como “vir” e não como “ver” (tendo proferido um “intervimos” em vez de “interviemos”). Que falta de mérito! A meio do debate, este António Costa armou-se em Santana Lopes e abandonou a sala (onde nunca deveria ter entrado). Terá ido para a “Conchichina” (uma espécie de China em forma de concha, que também só o seu partido conhece)?

O apoio que faltava

Digna de destaque é a “declaração de apoio que não é uma declaração de apoio” de Manuel Carvalho da Silva a António Costa. Apesar de tudo, o coordenador da CGTP afirmou que é muito importante a vitória de Costa, o que é muito diferente da posição oficial do PCP, para quem “não há diferenças” entre o PS e o PSD. Só é pena que a posição de Carvalho da Silva seja estritamente “autárquica” e não envolva o governo do país. Seria interessante ver Carvalho da Silva afirmar, por exemplo, que a avaliação de professores é necessária (mesmo se em moldes diferentes dos propostos pelo governo), em contraste com mais esta posição lamentável do PCP. Como se pode pensar em coligações de governo entre o PS e o PCP quando este partido defende posições destas?

2009/10/06

Dez anos sem Amália

Entretanto, a SIC parece que vai estrear uma telenovela chamada "Perfeito Coração", aproveitando o (merecido) sucesso da versão do projecto "Amália Hoje". Só espero que os espectadores dessa novela não se esqueçam de que a música chama-se "Gaivota" e era interpretada pela Amália.

2009/10/05

O regresso

Voltou o Conan (à SIC Radical)! Eu não tenho TV Cabo, mas estou contente à mesma.

2009/10/02

A tralha socrática: Augusto Santos Silva



O PS terá que tentar estabelecer pontes e acordos com os outros partidos de esquerda. Sabemos que tais pontes só serão possíveis em casos pontuais, mas o PS não pode ser acusado de não as tentar estabelecer. Por isso terá de se assistir ao afastamento de Augusto Santos Silva, o ministro dos assuntos parlamentares que assumiu que gosta de “malhar” nos partidos à sua esquerda, mas não hesitou, há três semanas, em directo, no “Prós e Contras”, a dirigir-se ao reaccionaríssimo Paulo Rangel como “o meu amigo” (algo que não fez a mais nenhum dos membros dos partidos presentes no programa). Talvez por dois tripeiros serem sempre amigos (por aqui se vê que o Porto é uma cidade pequena). Talvez, mais provavelmente, por o ex-maoísta (mas ainda bem maoísta na mentalidade) Santos Silva preferir qualquer outra alternativa a aliar-se ao PCP. É essa a cultura maoísta portuguesa, também presente em muitos sectores do Bloco de Esquerda (não todos). Convergências à esquerda assim são difíceis. Mas o PS não é o principal culpado de tal facto. Esta semana Santos Silva voltou ao “Prós e Contras”, pela enésima vez. Deve ter alguma avença. Ou então é porque a apresentadora é tripeira (também deve ser “sua amiga”). Que se mantenha como comentador, se ele e Fátima Campos Ferreira quiserem. Mas se o PS quer um mínimo de convergência à esquerda não o pode ter no governo. Muito menos nos assuntos parlamentares.

2009/09/30

2009/09/29

"Que fazer com toda esta liberdade?"

Aos 45 anos, a Mafaldinha (neste caso, mais correctamente, o Filipe) lança a questão fundamental. Bem hajam!

2009/09/28

A natureza de Louçã



Com os resultados do Bloco de Esquerda, se Francisco Louçã fosse um político responsável nunca o poderíamos ouvir falar em “vitória” ontem. O objectivo de um partido de esquerda responsável seria, retirando a maioria absoluta ao PS, ter mandatos suficientes para conseguir uma maioria em conjunto com este partido. (Para uma coligação ou para um simples acordo parlamentar, depois se veria.) Mas não assim. Excluído que parece estar um acordo com a CDU (a menos que se queira Portugal fora da NATO e da União Europeia), uma maioria de esquerda só me parece possível para propostas “fracturantes” ou em casos pontuais como um imposto sobre as grandes fortunas. A esquerda responsável, por isso, falhou. Mas nada disso parecia importar a Francisco Louçã, que estava mais preocupado com o seu partido do que com a governação do país. Sempre ouvimos falar da “arrogância” de José Sócrates. Após o que ouvimos ontem, será mesmo Sócrates o “arrogante”? A primeira coisa que o líder do Bloco de Esquerda fez, na noite de ontem, foi “exigir” a substituição de Maria de Lurdes Rodrigues sem propor nenhuma contrapartida. Ao ouvi-lo, apeteceu-me que Sócrates descesse ao átrio do Hotel Altis acompanhado da ainda ministra da Educação, anunciando que a manteria no seu cargo se fosse designado primeiro ministro. A verdadeira natureza de Francisco Louçã, escorpião pronto a picar a rã que o poderia ajudar a atravessar o rio, revelou-se aqui. Quem pudesse ter pensado na viabilidade de uma coligação do PS com um partido liderado por este indivíduo terá encontrado aqui a resposta. Enquanto o Bloco não decidir se é um partido de poder ou de protesto, tal não será possível. Mas, para o Bloco ser um partido de poder, terá que ser com outro líder. Neste momento, Francisco Louçã é o maior problema da esquerda portuguesa.

Ingovernabilidade

PS sem maioria absoluta, com um número de deputados inferior a PSD e CDS coligados. PS e BE não formam maioria juntos. A única solução para uma maioria estável seria um acordo do PS com um PSD descredibilizado e em cacos ou com o CDS mais à direita de sempre. O eleitorado do PS não perdoaria qualquer uma destas opções. Eu não perdoaria. Só resta ao PS seguir em frente, tentar avançar com as reformas que quer fazer (e que bem começou enquanto tinha maioria absoluta), motivá-las e justificá-las o melhor que puder perante o país, e esperar pela atitude dos restantes partidos. Não terá força para mais. O futuro será o que tiver que ser.

2009/09/25

Por que voto no PS

Numa notável música intitulada O Estrangeiro, em 1989, Caetano Veloso remata anunciando:
Some may like a soft brazilian singer but I’ve given up all attempts at perfection.
Não defendo que esqueçamos a perfeição. A perfeição deve permanecer como o objectivo, os objectivos devem ser claros e devemos lutar por eles. Mas devemos ter a noção de que a perfeição nunca é atingível por métodos democráticos, e os métodos antidemocráticos (para além de serem isso mesmo – antidemocráticos) conduziram a resultados que ninguém, nem mesmo o mais fanático, considera perfeitos. Ou seja: devemos tentar aperfeiçoar-nos, conscientes das nossas imperfeições. A perfeição é algo que se tenta atingir, e não algo que se estabelece. Finalmente, há limites à perfeição que queremos atingir (à esquerda: a Igualdade e a Liberdade), provenientes da nossa condição humana de animais sociais, que podemos aprender com a História, mas também com a Segunda Lei da Termodinâmica. São totalmente irrealistas as propostas baseadas na “imaginação”, no “sonho”, no “ideal” e na “utopia”, que tantas vezes se ouve falar à esquerda, e que devemos rejeitar em nome da verdade. (Belo slogan, o do PSD: Política de Verdade. Pena que não tenha nada a ver com o partido que o usa.) Mais valem avanços concretos que tacticismos suicidas que preferem levar a direita ao poder em nome da “pureza ideológica”, na esperança que a revolução fique mais próxima e mais fácil. É em nome destes avanços concretos, é por causa destes avanços concretos, que voto no PS nestas eleições legislativas. Porque sou de esquerda e, relativamente aos outros partidos, o Bloco de Esquerda não consegue (ou não conseguiu, até hoje) assumir nenhum tipo de responsabilidades, e o PCP, se não tiver uma posição hegemónica (que o povo português nunca entendeu dar-lhe), prefere conservar a sua pureza como partido puramente de protesto. Esta minha rejeição poderia motivar-me a procurar uma outra alternativa, ou a votar no PS simplesmente porque era o mal menor. Não é esse o caso: voto no PS nestas eleições com convicção: estou firmemente convencido de que é o melhor para Portugal. O que motiva este meu ponto de vista são alguns dos tais “avanços concretos” dos últimos quatro anos, rumo a uma sociedade mais justa. Sem querer ser exaustivo, vou enumerar alguns:

As propostas do Bloco

Texto imperdível no Avenida Central. A ler de uma ponta à outra.

Semana da Mobilidade/Massa Crítica


Esta foi a semana da Mobilidade. Para um balanço, ler o sempre atento Menos Um Carro. Esta noite há festa de ciclistas em Alfama. Lá estarei (depois da noite dos investigadores).

Cientistas ao Palco


Hoje é a Noite dos Investigadores. Durante o dia, um pouco por todo o país, o público vai ter a oportunidade de abordar cientistas. Eu vou estar em Lisboa, nos Jardins da Gulbenkian, à tarde. Apareçam!

2009/09/23

Dirce Migliaccio (1933-2009)

Vários blogues referem a morte da "Emília", do Sítio do Picapau amarelo, que Dirce de facto interpretou na primeira temporada da série, dos anos 70 da TV Globo, que encantou a minha geração. Só que Dirce não foi a melhor das Emílias: quem tornou Emília inesquecível, tendo-a interpretado por cinco temporadas, foi a actriz Remy de Oliveira. Dirce Migliaccio deve ser lembrada sobretudo como Judiceia Cajazeira.

2009/09/22

Qual “asfixia democrática” (2)?

Fala-se de “asfixia democrática”. Na comunicação social, não vejo onde esteja. Temos a TVI e, como agora se confirma, o Público, que sempre fizeram as campanhas que quiseram. Regressemos uns anos atrás. Não direi muitos (ao tempo em que o Prof. Cavaco era primeiro ministro, os deputados da oposição eram sempre filmados de costas no Parlamento e, no Telejornal, a sua cara aparecia no canto superior direito sempre que o seu nome era referido – no canal único de televisão, a RTP). Eu proponho regressarmos somente seis anos atrás. Num breve intervalo da sua colaboração de mais de 20 anos com Cavaco, o director do DN era... Fernando Lima! Imposto pela PT Multimedia, apesar do voto contrário do Conselho de Redacção do jornal, preocupado em ter um comissário político na direcção. (Como os leitores se recordam, Lima tratou de pôr o cabeçalho do jornal centenário a laranja. E nunca assinava os editoriais que escrevia. As eminências pardas nunca gostam de dar a cara.) O director do Expresso era o arquitecto Saraiva. Na TVI tínhamos José Eduardo Moniz, e no Público... José Manuel Fernandes!
Não me recordo de nenhum órgão de comunicação social não partidária que não estivesse a favor do governo há seis anos. Comparem com a situação hoje. Onde estava há seis anos quem hoje fala em “asfixia democrática”? Nunca eu senti um país tão asfixiante como há seis anos atrás.
É claro que hoje temos órgãos de comunicação social a favor do governo (e contra, nomeadamente os que elenquei), como é normal e desejável numa sociedade plural. Mas há uma diferença entre ter uma tendência e deixar-se manipular.

2009/09/21

Aprende-se sempre a ler o Arrastão

No meu caso, eu hoje aprendi um provérbio completo (só conhecia a última parte). O resto do texto (não só o título) também está bom.

Qual "asfixia democrática" (1)?

Entrevista de José Miguel Júdice ao DN:

A revelação por parte do DN do e-mail trocado entre Luciano Alvarez e Tolentino Nóbrega, jornalistas dos Público, é uma violação de privacidade?

Não sei se o e-mail é privado ou se tem interesse público. Acho muito curioso que a imprensa portuguesa, que durante anos e anos não se preocupou com a revelação de escutas, agora que atinge os jornalistas, estes comecem a ficar preocupados.

Considera reprovável, do ponto de vista ético?

É deontologicamente censurável, mas, durante anos, os jornalistas aceitaram que isso fosse possível em muitas situações que não envolviam jornalistas. É como se estivessem a provar um pouco do seu remédio. Os jornalistas dão muita importância a si próprios. Eticamente, é inadmissível que os jornalistas queiram ser protegidos de uma forma que não se protegem os outros cidadãos.

Considera aceitável que o DN tenha divulgado o e-mail?

É importante que o Diário de Notícias tenha divulgado esta situação. E é importante que os jornalistas ponham a mão na consciência. Eu sou amigo do José Manuel Fernandes, mas a reacção do José Manuel Fernandes, que de manhã afirmou que o Público estava sob escuta e depois vem reconhecer que, afinal, não houve qualquer intrusão no sistema informático do jornal, é de uma gravidade absoluta. E nem pediu desculpa. Depois das suspeições lançadas devia de haver um pedido de desculpa ao País, a todos nós. A comunicação social deve pôr a nu estes métodos de fazer jornalismo. Se é grave o que Fernando Lima, assessor do Presidente da República, fez, também é grave a comunicação social sujeitar-se a isso.

O interesse público justifica a publicação do e-mail?

Está tudo a arrancar os cabelos porque é um jornal a fazer a outro jornal aquilo que é prática da comunicação social fazer a outras entidades não jornalísticas: publicar e revelar documentos, mesmo que protegidos pelo segredo de justiça, em nome do interesse público. Esta dupla ética não é aceitável.


Ler também as declarações do Presidente do Sindicato dos Jornalistas: os jornalistas devem "aprofundar a investigação até ao limite das suas forças".

2009/09/18

Não há festa como esta (4)



O cartaz prometia, no “Fórum”, um debate: “Novas Gerações – Gerações sem direitos”. A sala estava como se vê na fotografia. As “gerações sem direitos” conviviam, bebiam, ouviam música. Cá fora. Fizemos o mesmo.

(Postagem em co-autoria com o João Branco.)

Não há festa como esta (3)



O slogan da CDU nem é mau: “soluções para uma vida melhor.” Só que neste caso (e em todos os quiosques onde este cartaz estava colado) as soluções para uma vida melhor passavam pela venda de tabaco.

(Postagem em co-autoria com o João Branco.)

Não há festa como esta (2)



A Festa tem um “Espaço Livro”, com obras (muitas, e ainda bem) de autores, comunistas e não só. O que demonstra uma certa e salutar abertura. Mas deveria haver limites: ver, misturados com os romances de Saramago, os “Desenhos da Prisão” de Cunhal ou a “Miséria da Filosofia” do Marx, “manuais” da Paula Bobone e álbuns do Tintim e da Anita parece-me mal. Não combina.

Não há festa como esta (1)



Qualquer pessoa se enternece a ouvir Jerónimo de Sousa. Mesmo Francisco Louçã: recordo o ar embevecido do “coordenador” do Bloco de Esquerda a ouvir o líder do PCP a citar Almeida Garrett no debate entre ambos: “o número de indivíduos que é necessário condenar à miséria (...) para produzir um rico!”. “O antigo operário fabril lê Almeida Garrett!”, terão todos os espectadores do referido debate concluído. É possível que sim. Mas é possível também que Jerónimo se limite a prestar atenção à decoração das tasquinhas da Festa. (Festa que, como é sabido, todos os anos ele ajuda a montar.)

2009/09/16

Regresso a um blogue colectivo

A partir de agora, passo a escrever sobre política no Esquerda Republicana, com mais pessoal da LEFT (excepto um!). Os textos serão republicados aqui. Para além disso, continuarei a escrever no Avesso do Avesso sobre tudo o que mais me apetecer, que a vida não é só política. Até já.

2009/09/14

Disney compra Marvel

Esta notícia já tem uns dias. Em miúdo aprendi a ler com os livros da Disney, mas a Marvel nunca me interessou. Mesmo assim não me deixa de causar uma certa confusão imaginar que é possível um dia ver o Capitão América ou o Hulk atrás dos Irmãos Metralha...

2009/09/09

Sobre os debates à esquerda

O Seinfeld afirmou esta frase lapidar (a propósito de um gay com quem a Elaine se dava muito bem): "People always get along when there is no possibility of sex." Olhando para os debates entre o Jerónimo e quer o Louçã, quer o Sócrates, vemos: ali não há possibilidade de sexo. O Jerónimo quer manter-se casto - o que se lhe há-de fazer? Vendo o debate de ontem entre o Louçã e o Sócrates, concluímos: depois das eleições, pode ser que tenha que haver ali uma foda. Por isso foi um debate tão tenso.

09-09-09

Até 2012 ainda teremos mais três dias destes. (À hora deste texto ainda eue stava a dormir, a recuperar de transportar móveis.)

2009/09/08

We Can't Afford to Wait

É o vídeo que os REM gravaram para a associação MoveOn, em apoio a um Serviço Nacional de Saúde nos EUA.

2009/09/07

Após a Festa do Avante!

Sou um socialista científico, comunista não-praticante. Não deixo de celebrar as datas do calendário (reportagem fotográfica em breve).

2009/09/02

Bicicletas, capacetes e ciclovias

Tenho andado envolvido numa discussão nos comentários do Klepsýdra sobre estes assuntos. Sugiro que passem por lá. Entretanto decidi transcrever para aqui algumas ideias minhas sobre este assunto que lá escrevi.

Bem, começo por esclarecer que vivi seis anos nos EUA, depois dois em França e nove meses na Holanda. Sempre usei bicicleta, e nunca tive capacete. Quando voltei para Portugal passei a usar capacete. As razões são duas: há muito maiores inclinações em Portugal, pelo que uma eventual queda teria riscos mais graves, e não há ciclovias. Mesmo assim ando sem capacete às vezes.

Não defendo a obrigatoriedade do uso do capacete, embora tal não me repugne. Mas lanço uma pergunta – que podem à vontade classificar como “argumento à João Miranda”. Se um de vocês cair de cabeça (sem nenhum carro) e esmigalhar os miolos todos, sem ter feito tudo o que era possível para minimizar essa situação (usar um capacete), por que raio é que os meus impostos (via SNS) hão-de financiar a vossa cura? Ao menos que paguem uma multa. Não me venham por favor comparar com “anedoctal evidences”. Ter um acidente de bicicleta não é uma “anedoctal evidence”. Se for, por essa ordem de ideias ter um acidente de carro também é, e por isso não se deveria usar cinto. Os argumentos contra o capacete parecem-me os contra o cinto de segurança.

O “estudo que mostra que os automobilistas tomam menos cuidados perto de ciclistas com capacete” de que o Miguel fala é mais um estudo daqueles tipo “freakonomics”, cujo único objectivo é chamar idiotas aos leitores. Pressupõem sempre que o visado dispõe de toda a informação e os outros não dispõem de informação nenhuma. Os automobilistas podem ser mais cuidadosos se um ciclista não usar capacete (ou luzes de presença à noite), não se todos não os usarem. (Parece que “teorias” dessas também já tentaram demonstrar que o uso de preservativo não faz nada pela prevenção da SIDA. Quem sabe vocês encontrem aliados contra o uso do capacete no Vaticano.)

Quanto às posições da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta, João, tu respeitarias uma posição do Automóvel Clube de Portugal que dissesse respeito ao uso de carros? Eu não. Cada vez menos.

Será que é o mesmo tipo de “estudo” que demonstra, nas palavras do Mário, ser “errado que em meios urbanos os ciclistas estejam mais seguros se circularem segregados do resto do tráfego”? Eu ando de bicicleta na cidade, e para mim uma ciclovia, para além de mais segura, é muito mais confortável. Não tenho que ziguezaguear entre os carros parados em engarrafamentos nem que me preocupar com carros a estacionarem e a abrirem portas. Estudo nenhum consegue provar o contrário, a menos que o objectivo do estudo seja acabar com os carros. (Sem dúvida, se não houvesse carros não eram precisas ciclovias. Se não houvesse carros nem bicicletas não eram precisos passeios para peões.) Se for esse o objectivo, força, agora deve ser assumido com clareza e não sustentado em estudos com objectivos políticos e que tornam a vida mais difícil a todos.

Quanto ao capacete, eu não disse que era favorável à sua obrigatoriedade. Disse que não a excluía. Julgo que o sensato será não avançar com a obrigatoriedade para já. Se houver uma massificação do uso da bicicleta, como esperamos, e começar a haver muitos acidentes, então avança-se para a obrigatoriedade. Foi assim que se fez para o cinto de segurança do carro, que não era obrigatório há umas décadas. (Claro que ainda hoje há reaccionários provincianos que se opõem ao uso do cinto de segurança. Viva a liberdade individual!)

Quanto à “teoria da compensação de risco”, não a compro. Já te disse: é baseada no pressuposto de que um actor privilegiado dispõe da informação toda e os outros com quem ele interage são uns bárbaros ignorantes. Recuso-me a aceitar estes pressupostos. Um automobilista é um potencial assassino. Qualquer indivíduo que tenha sexo desprotegido é um potencial transmissor de doenças. Mas eu recuso-me a tratar todos os automobilistas como assassinos. Recuso-me. Prefiro informar as pessoas. Um automobilista informado não é um assassino. Um indivíduo informado tem sexo protegido.
A tua teoria da compensação de risco serve para negar a eficácia do preservativo, o aquecimento global (googla-se “compensação de risco” e a primeira coisa que nos aparece é o Insurgente). Nos EUA servirá para defender o livre porte de armas. E serve para negar a eficácia do uso do capacete. Meus caros, fiquem vocês com a vossa “teoria”.
Aproveito para esclarecer que não me revejo minimamente no modelo que vocês propõem, em que só os mais fortes têm responsabilidade civil e criminal. Vai totalmente contra os meus princípios. Daí essa minha discordância, que é de base. Concordo que um automobilista é mais “forte” que um ciclista, que é mais “forte” que um peão, mas todos têm que ter a sua responsabilidade. O que vocês preconizam, que é a abolição o código de estrada, iria criar uma nova classe de inimputáveis. Sou por uma cultura de responsabilidade, como referi, e para mim ninguém pode ser inimputável perante a sociedade e perante o estado. Recuso totalmente esse projecto, que, apesar de o Mário não querer ver, tem uma base anarquista evidente. O código de estrada, é o insuspeito Noam Chomsky que o afirma, é dos melhores exemplos de um contrato social estabelecidos até hoje.

Quanto às ciclovias: hoje, enquanto vocês, losers, ficavam aqui a comentar no Klepsýdra, eu fui aproveitar o bom tempo para o Guincho. No acesso para a praia, pela povoação de Areia, há uma estrada com muito pouco movimento (ao pé do parque de campismo da Orbitur). E uma “pista para ciclistas” que serve também como passeio pedonal. Para começar não há necessidade de uma ciclovia numa rua tão pouco movimentada. Pior ainda estaremos se essa ciclovia for ridícula, e partilhada com peões. As ciclovias são de uso obrigatório, mas ser obrigado a usar aquela “ciclovia” é péssimo. Mais valia que não houvesse ciclovia nenhuma. Se as vossas objecções às ciclovias se devem a recearem que sejam “ciclovias” como a que eu vi hoje, compreendo-as (e apoio-as). Vamos lá a ver se a gente se entende: as ciclovias que eu defendo são ciclovias a sério, em ruas movimentadas, que servem para garantir SEMPRE um espaço desimpedido para os ciclistas (e não devem ser para partilhar com os peões). Sou um firme defensor das ciclovias, com estes pressupostos (como há na minha querida Paris, a cidade onde mais gosto de andar de bicicleta). Ciclovias da treta, sou contra, claro.

2009/08/31

Tchau Roca

Aeroporto de Lisboa, zona de embarques, Janeiro de 2006
Obrigado por tudo. E estou farto do treinador que não te soube aproveitar.

2009/08/28

Efeméride 3 - 400 anos do telescópio de Galileu

Passam 400 anos sobre as observações e, por isso, este é o Ano Internacional da Astronomia. Nada melhor para ler do que o Klepsýdra.

2009/08/23

2009/08/21

Efeméride 1 - o Raul morreu há 20 anos atrás

O "concorrente"

Entendo que as grandes superfícies de comércio alimentar precisem de propaganda televisiva para terem visibilidade (o saudoso Carrefour deveria ter apostado mais nisso). Entendo menos a propaganda que visa somente denegrir o concorrente (que foi inaugurada pelo Pingo Doce e seguida pelo Jumbo). Nisso o Minipreço é exemplar. Lamento que o LiDL a siga. E não compreendo esta sanha contra o Continente (de que eu estou longe de ser fã, como é sabido), quando o principal concorrente do LiDL nem é o hipermercado da Sonae.

2009/08/19

António Brotas sobre o ensino da medicina

Leio hoje em título, na primeira página do DN, a notícia de que 40 médicos cubanos vão ser contratados para cobrir a falta de médicos em Portugal.

É sabido que Cuba tem dado no campo da saúde uma significativa ajuda a países que estão ainda hoje numa situação de atraso, mas que começam, muito rapidamente, a deixar para trás a situação de países em via de desenvolvimento.

A decisão de contratar médicos cubanos é, possivelmente, neste momento, uma decisão acertada, mas a população portuguesa tem o direito de ser informada dos antecedentes que fazem com que hoje sejamos, provavelmente, o único país da Europa a precisar do auxílio cubano.

Em 1973, numa altura em que não havia números clausus no acesso ao Ensino Superior, entraram nas Faculdades de Medicina portuguesas cerca de 4000 estudantes. Este número tinha vindo a crescer vertiginosamente desde 1970. O regime, que precisava de médicos para a guerra em África, não se preocupou muito com o assunto porque é relativamente simples assegurar nas faculdades o ensino dos três primeiros anos de medicina. O problema é depois, com o ensino hospitalar no 4º ano. À medida que aumentava o número de alunos nos primeiros anos, o número de chumbos em Anatomia diminuía e, assim, o número de alunos no 4º ano de medicina em Outubro de 1974 aproximava-se dos 4000.

Este foi o problema de mais difícil e que nos exigiu mais trabalho, ao Secretário de Estado do Ensino Superior, Avelãs Nunes, que me antecedeu em 1974-75, e a mim próprio em 1975-76. Mas havia, sobretudo, que cuidar do futuro. Avelãs Nunes tomou a decisão de que em 1975 não haveria inscrições no primeiro ano de Medicina, mas num
tronco comum a vários cursos, entre eles o de Medicina, com a duração de um ou dois anos consoante a vontade das faculdades.

Assim, em Outubro de 1975, inscreveram-se neste tronco comum 4.500 estudantes, dos quais cerca de 1.200 na Universidade do Porto. A Faculdade de Medicina do Porto fez-me saber que queria um tronco comum só com um ano, e que no ano seguinte só aceitaria 300 alunos em medicina. A Secretaria de Estado do Ensino Superior teve, assim, no curto espaço de 10 meses, de activar a entrada em funcionamento de uma nova escola de medicina, o Instituto Abel Salazar, de criar de raiz uma Escola de Medicina Dentária, de criar um curso de Nutricionismo e de reorganizar o ensino da Educação Física no Porto. No ano seguinte, dos 1.200 inicialmente inscritos no Porto tronco comum, entraram em medicina, após negociação com a faculdade, 350. Em Lisboa, a faculdade preferiu um tronco comum com dois anos, e no ano seguinte deixou entrar todos em medicina.

Mas havia que pensar no futuro. Se eu não tomasse não tomasse nenhuma decisão, em Outubro de 1976, inscreviam-se de novo 4.500 estudantes no tronco comum. Fixei por isso, por despacho, no final do meu mandato como Secretário de Estado, creio que em Julho, em 1600 o número de estudantes a admitir em Outubro no tronco comum repartidos pelas várias Universidades. Pensei que destes, cerca de 800 viriam a seguir medicina.

O que sucedeu foi que, nas duas décadas seguintes, as faculdades de medicina desceram este número a cerca de 400. É este cavado entre o número de 800, que deveria subir lentamente, e os 400 efectivamente entrados, que nos obriga hoje a recorrer aos médicos cubanos.

Hoje, vejo os Reitores de muitas Universidades acordar para este problema e todos a exigir a sua faculdadezinha de medicina. Quando fui Secretário de Estado do Ensino Superior, reunia-me uma vez por mês, em diferentes cidades do país, com todos as escolas. Sempre pensei que, depois, seriam criados órgãos horizontais, que reunissem todas as escolas de Medicina, todas as escolas de Agricultura, todas as Escolas de Engenharia.... Seriam estes órgãos que dariam ao Ministério uma visão de conjunto e o aconselhariam sobre o que haveria a fazer. Agora, obviamente, com o concurso dos Partidos e da Assembleia da República.

Para terminar desejo dizer que o tronco comum instituído pelo Avelãs Nunes, em 1975, é o que hoje usa a França. É muito, provavelmente, o que permite uma melhor escolha dos futuros médicos, pois permite às faculdades influenciarem esta escolha e não ficarem unicamente obrigadas a receber os alunos seleccionados pelas notas altas
obtidas no Secundário.

Penso que a população portuguesa tem o direito de ser informada destes assuntos que dizem respeito não unicamente ao seu passado, mas também ao seu futuro.

António Brotas

2009/08/17

Depois dos amigos do Bonifácio, os amigos do Moita de Deus

Sobre o fait-divers que tem vindo a ocupar a silly season (desculpem os estrangeirismos): depois de apontar tão bem as contradições da direita, não percebo que haja quem seja contra a aplicação das leis da república. É isso que distingue a república, e torna a monarquia inaceitável: na primeira, não há (em teoria) cidadãos privilegiados, e as leis são as mesmas para todos. A menos que não se concorde com as leis da república (ou por puro amiguismo). Era bom que se esclarecesse este ponto de vista. Ler o Ricardo Alves.

(Nota: embora não o conheça pessoalmente, tenho grande simpatia pelo Rodrigo Moita de Deus (um excelente blóguer), que já me ofereceu a sua solidariedade em “casos” da blogosfera. Infelizmente, e desde que se cumpra sempre a lei, não lhe posso oferecer a minha neste caso. Apesar de tudo, bem mais sério do que puro html.)

2009/08/12

Varanda do disparate

Quando fui para Paris li pela primeira vez o Sol, que era um dos títulos diponíveis para serem oferecidos aos passageiros. (Andar na TAP tem destas vantagens.) Encontrei esta crónica de Mário Ramires repleta de erros factuais. Apesar de eu subscrever a ideia base de que há que melhorar os transportes públicos, tal não pode ser desculpa para tudo.
Não é verdade que uma viagem de comboio entre Lisboa e Carcavelos custe 2,20 euros: tal inclui o preço do Cartão Lisboa Viva (50 cêntimos), que só é pago uma vez, é recarregável e dura um ano. A única coisa que eu acho estúpida neste cartão é o facto de ele só durar um ano (o meu andante do Porto tem três ou quatro anos e funciona lindamente). Mas não é verdade que se tenha que comprar um em cada viagem, como se parece concluir da crónica do referido senhor. Que também refere os preços "exorbitantes" dos transportes públicos em Lisboa, que é um outro disparate (sugeria-lhe que saísse um bocadinho e comparasse com os de outras cidades). Se o senhor está tão preocupado com os preços, já pensou no preço do jornal que escreve? Já pensou em quem desembolsa 2,50 euros (não é o meu caso) para ler semelhantes baboseiras?

2009/08/10

Se isto é um "Blogue de Esquerda"

Mesmo não conhecendo de todo o processo de recrutamento, e apesar de reconhecer que a ideia por trás dele possa ter sido alguma reorientação mais próxima do PS, não me parece que a principal responsabilidade pelas escolhas para o novo "Blogue de Esquerda" (assim entre aspas) seja da administração da Sábado. O problema é que quem escolhe os novos membros não conhece muito mais para além do Eleven e, portanto, não consegue formar outro tipo de equipa. Até mete a ala direita do PSD. Mas a política é o menos, não é, cara Marta Rebelo?

(Ler o regressado Luís M. Jorge.)

2009/08/08

A esquerda tem sempre que redistribuir

Embora concorde que a esquerda responsável tem que procurar criar riqueza, nisso se distinguindo da extrema esquerda, discordo do tom deste texto do João Galamba, que secundariza a redistribuição em relação à criação de riqueza. O papel histórico da esquerda sempre foi redistribuir. É o seu código genético. O PS (em quem eu vou votar em Setembro) tem de se distinguir à sua esquerda por ser capaz de gerar riqueza e à sua direita por a redistribuir. Uma esquerda que secundarize a redistribuição em pouco ou nada se distingue do centro e da direita.
O texto do João é pura "terceira via". A "terceira via" não está a ter um lindo fim. Respostas diferentes precisam-se.

2009/08/06

O “caso Bonifácio”: muita liberdade e nenhuma responsabilidade

Na blogosfera que eu li - vários blogues, da esquerda à direita – é a unanimidade nacional: a liberdade de opinião de João Bonifácio, enquanto crítico musical, é absoluta e indiscutível. João Bonifácio é intocável. Mesmo que Bonifácio, para criticar um concerto de um grupo que não gostava e a que não lhe apetecia ter assistido, se refira de uma forma de gosto muito duvidoso a esse grupo e aos adeptos de um clube de futebol. Uma vez mais, a blogosfera parece reduzida a um grupo de amigos que fazem do João Bonifácio a nova causa. Falo de pessoas por quem tenho consideração: aqui, aqui. E também aqui.
Ora bem: João Bonifácio é crítico. Ou seja, é jornalista. Ser jornalista é bem diferente de assinar uma coluna de opinião. Um jornalista tem que fazer trabalhos de que não gosta, como toda a gente. E, embora uma crítica (musical, de futebol, seja do que for) seja sempre subjectiva, parece-me evidente que um crítico, enquanto jornalista, não pode ter a mesma liberdade criativa que um colunista de opinião. Apesar de em ambos os casos os textos virem assinados, o que um crítico escreve vincula muito mais o jornal do que o que é escrito por um colunista. Quanto mais não seja porque um crítico é (ou deve ser) um assalariado do jornal, com um contrato de trabalho. Um colunista em geral não tem um contrato de trabalho com o jornal.
Se João Bonifácio quer ter a liberdade de expressão, e sobretudo se não quer ter a responsabilidade associada ao cargo de jornalista, tem bom remédio: que passe de jornalista a colunista. Peça ao Público para lhe alterarem o contrato de trabalho. Se não perceber bem a diferença entre um colunista e um jornalista, pergunte ao João Miguel Tavares a diferença.

2009/08/04

Rue de la Tombe Issoire




Por razões pessoais, sentimentais, esta é a minha rua favorita de Paris. Nunca aqui morei (morava no Bd. Jourdan, como todos os residentes da Cité Universitaire), mas era a rua onde eu mais andava (e mais gostava de andar) de bicicleta (e as ruas que se lhe seguiam, quando se saía do 14ème: a do Fb. St. Jacques e de St. Jacques, todas elas parte do Caminho de Santiago de Compostela). Seguia nela sempre que me dirigia ao centro ou regressava a casa. Nomeadamente, para os seminários no Instituto Poincaré.
Gostava tanto desta rua, o símbolo da "minha" Paris, que pensei mesmo em criar um blogue com o seu nome. Não podia deixar de lá passar, neste meu regresso à cidade-luz. E encontro uma surpresa - uma escultura de um gigante, pendurada na escola primária. Associada a essa escultura, a explicação da mesma - e do nome da rua, algo que sempre me intrigara. E que muito me surpreendeu. Então não é que "Issoire" era um português (na altura em que Portugal estava sob domínio mouro), de Coimbra? Diz a lenda que este português tinha "a altura de três homens" e se dedicava a atacar (e matar) peregrinos do Caminho de Santiago, na cidade de Orleães. A certa altura, Issoire dirigia-se a Paris, com o objectivo de a conquistar. Morreu decapitado num combate com Guilherme d'Orange. Como Issoire era demasiado grande e pesado para que pudesse ser transportado, a população decidiu enterrá-lo no local onde ele morreu. Este local é, hoje, a Rue de la Tombe Issoire!
Nunca esperei que esta rua estivesse associada ao túmulo de um português!
Para mais informações vejam aqui, aqui, aqui e aqui, de onde vêm as fotos.

2009/08/03

Restaurante "franco-italiano"


Na verdade é bem português, como a bandeira indica. Mas em Paris (e em grande parte do resto do mundo) ser "português" continua a não "vender". É uma pena.

2009/07/31

Bobby Robson (1933-2009)


Um treinador inesquecível. Imortal, como bem referiu José Mourinho.

2009/07/30

Voos e refeições, dez dias depois

Infelizmente, a minha impressão da TAP, no voo do regresso, é totalmente oposta à da ida. O avião estava cheio (em grande parte de senegaleses, que iam apanhar uma ligação para Dakar), ao contrário da ida. Isso explica muito, mas não explica tudo. O queijo fundido das sandes ligava muito bem com o salmão, mas não com porco ou peru (nem percebi bem de que eram as sandes desta vez). Mas o pior nem foi isso. Havia uma certa turbulência, mas nada que justificasse não servirem café (apanhei turbulências muito piores noutras viagens de Paris, e nunca deixaram de me servir café). A comandante era nova (e provavelmente novata). Ou ela não quis arriscar, ou serviu como desculpa para algum plano de contenção de custos. O facto é que desde que se entrou em Espanha a turbulência passou. Teria havido tempo de servir café a toda a gente, regularmente. Mas o café só foi servido algo aleatoriamente, em chávenas já cheias, aos passageiros que se queixaram (como era o meu caso, que com falta de cafeína fico ainda mais rabugento). Mas fiquei com muito má impressão.

2009/07/29

2009/07/28

Paris evolui (I)




Em 2005 não havia nada a ligar o Quai de Bercy à Biblioteca François Mitterrand. Desde 2006 há a Ponte Simone de Beauvoir.

2009/07/27

A revolta dos equiparados (2)

Cometários ao texto "Filhos de um deus menor":

O presente diploma não coloca ninguém na rua. Coloca as pessoas a concurso. É evidente que uma pessoa competente, que se tenha doutorado, e que esteja há dez, 20 anos naquelas funções terá vantagem sobre um outro candidato de fora. É assim em qualquer lado. O problema são os outros, a saber:

  • os que se andam lá a arrastar há dez, 15, 20 anos e nunca fizeram o doutoramento (ou, pior, agora fazem um doutoramento a martelo porque são obrigados - conheço vários casos assim) - contavam com o empregozinho e nunca fizeram nada para progredirem (que é o que um professor do ensino superior deve fazer - progredir, investigar, melhorar);
  • os que entraram há pouco tempo (e que são muitos) - são novos, licenciados há poucos anos. Esses que peçam bolsa à FCT se querem fazer um doutoramento. A FCT aliás não deveria dar bolsas a este tipo de candidatos (que sejam ao mesmo tempo docentes contratados e remunerados). De resto não há razão absolutamente nenhuma para que estes candidatos sejam beneficiados e os bolseiros preteridos. E não me venham falar em precariedade. Ninguém sabe melhor no meio académico o que é a precariedade que um bolseiro. O que é que esta gente é mais do que os bolseiros para os estar a discriminar assim, só porque estão agarrados ao lugarzinho?
Eu pretendo ir para o sistema universitário. Já fiz o doutoramento há seis anos e nunca passei a prof. auxiliar. Porquê? Porque nunca fui assistente! Na prática o sistema de que o Miguel Campilho se queixa já não existe - as universidades já não contratam assistentes (pelo menos em ciências e engenharia), e ainda bem. Vejam se metem na cabeça - lugares no ensino superior, só para doutorados! É assim em qualquer país civilizado. É mais uma das boas medidas deste governo, que eu há muito ansiava.
Mas o mais incrível do texto do post é mesmo a interrogação final: "como cativar pessoal novo para o politécnico?" Em que mundo é que o autor vive? Num lugar com muito poucos doutorados, não? Eu conheço muitos doutorados prontos a aceitarem uma vaga no ensino politécnico. O ensino politécnico assim torna-se menos atraente a recém-licenciados, de facto. E ainda bem.