2007/01/05

Juramentos e religiões

O tema do texto anterior dá pano para mangas. Pode ou não um deputado levar o Corão para fazer um juramento? A direita religiosa, como o André Azevedo Alves (que continua a confundir-se com O Insurgente) certamente pensa que a Bíblia é autorizada (e provavelmente deveria ser obrigatória), mas não é essa a questão mais importante. Essa questão, que (creio eu) dividirá opiniões entre as pessoas sensatas, é: "Deve ou não um representante político fazer um juramento religioso antes de tomar posse?" Muita gente reconhecerá ao deputado muçulmano o direito de jurar sobre o Corão, se outros juram sobre a Bíblia. Para mim, nenhum dos juramentos é aceitável: a religião é do foro privado, e não deve ser confundida com o exercício de funções públicas. Mesmo que tal possa ser visto como uma "restrição de liberdade". É evidente que cada deputado poderá fazer os juramentos que quiser, se for religioso – e mesmo se os deputados forem eleitos enquanto religiosos, ou devido às suas convicções religiosas. Mas tais juramentos devem constituir uma cerimónia religiosa, e nunca uma cerimónia oficial de Estado.
Aqui temos, de repente, e como quem não quer a coisa, um excelente "toy model" para o problema do véu islâmico, tema a que tenciono voltar em breve.

Também publicado no Cinco Dias.

3 comentários:

JSA disse...

Filipe, o juramento dos congressistas e senadores sobre a Bíblia é uma "mock ceremony", feita em privado para a família ou, no máximo, para a fotografia. O único que jura sobre a Bíblia (e creio que apenas e só por opção) é o Presidente. O juramento dos membros do Congresso e Senado juram (creio que) numa cerimónia conjunta e apenas de braço levantado. Os tais founding fathers sabiam o que faziam. Provavelmente melhor que aqueles que hoje se reclamam de herdeiros.

Filipe Moura disse...

Obrigado, João. Isto é só um toy model...
Um abraço e um bom ano para ti.

Jaime disse...

Subscrevo! Embora deva dizer que pessoalmente opto por uma atitude mais tolerante: se o Sr. tem gosto em jurar sobre o Corão, deixem-no lá jurar. Também não vem mal nenhum ao mundo por causa disso.

Jaime
www.blog.jaimegaspar.com