2007/01/04

Mobilidade e endogamia nas universidades portuguesas

A acabar o ano, a transcrição integral de uma entrevista do Público ao autor de um estudo que continua a dar muito o que falar. Pelas sugestões e propostas, por muito que isso possa doer a muita gente "instalada", a proposta do Ministério da Ciência e Ensino Superior de pôr as Universidades a "lutar" pelo dinheiro com base na sua qualidade é um passo no sentido certo. Para 2007 ficamos à espera de mais: do Compromisso com a Ciência e de um novo Estatuto da Carreira Docente.
Sobre este assunto, uma boa leitura complementar é a excelente entrevista do ministro Mariano Gago ao Diário de Notícias ontem, que infelizmente só vem parcialmente publicada na rede.

À margem: este é mais um excelente trabalho do David Marçal, que me sucedeu como "Cientista na Redacção" no Público nos últimos três meses.

"As universidades devem competir pelo dinheiro com a investigação"

Arcadi Navarro em 2001 fez um grande estrondo quando publicou na Nature um artigo em que colocava em números o fenómeno da contratação de docentes universitários com base em critérios de proximidade social em vez de mérito científico. Acerca da situação das universidades espanholas, que não deverá ser muito diferente das portuguesas, chegou à conclusão de que preferem os defeitos dos de dentro às virtudes dos que vêm de fora. Por David Marçal (texto) e Daniel Rocha (foto)


A endogamia nas universidades é definida como a existência de uma rede social que, independentemente do mérito dos candidatos, sistematicamente atribui posições aos amigos e conhecidos. O critério usado por Arcadi Navarro, especialista em biologia evolutiva da Universidade Pompeu Fabra de Barcelona foi muito simples: comparou a morada do primeiro artigo publicado numa revista científica pelos docentes universitários com a morada actual. Em Espanha era a mesma, em 95 por cento dos casos.
Dito de outro modo, apenas cinco por cento das vagas das faculdades são atribuídas a candidatos de fora. Nos Estados Unidos, a situação é exactamente inversa: o número de candidatos externos a obter lugares é de 93 por cento. No Reino Unido é de 83 por cento e em França 50.
Tudo isto tem consequências na produtividade científica. Vários estudos demonstram que quando são escolhidos amigos em vez dos candidatos com mais mérito, o número e o impacto das publicações científicas baixa significativamente. O PÚBLICO falou com Arcadi Navarro, à margem de um debate sobre a mobilidade e endogamia nas universidades portuguesas, no Instituto Gulbenkian de Ciência, em Oeiras.
PÚBLICO - Quais são as consequências da endogamia nas universidades?
Arcadi Navarro - São horríveis. As pessoas em vez de ciência estão a fazer política de corredores e a universidade torna-se numa maneira de arranjar salários para os amigos.
Como se pode explicar as enormes diferenças entre os países?
Por sistemas muito diferentes. Há países onde é proibido arranjar um emprego na mesma universidade onde se fez o doutoramento, como na Alemanha. Em França, para entrar numa instituição do CNRS (Centro Nacional de Investigação Científica), é preciso fazer um exame nacional muito exigente.
Já em Espanha as posições são atribuídas por comités formados por pessoas de dentro da universidade. Seria um bom sistema se as instituições competissem através da investigação que fazem. Mas as universidades espanholas recebem o financiamento com base no número de alunos de licenciatura. Outro factor é a escassez de recursos em países como Espanha e Portugal, que cria um ambiente ultracompetitivo, e as coisas são organizadas um pouco ao estilo da máfia.
Que medidas poderiam ser tomadas para reduzir este problema?
Fazer as universidades competir. Permitir-lhes contratar quem queiram, mas fazer o seu financiamento depender da ciência produzida. E dar o dinheiro aos investigadores em vez de às instituições. E a agência de financiamento avalia o investigador.
O favoritismo não pode passar para essas avaliações?
Pode acontecer. De modo a evitá-lo, as avaliações devem ser anónimas e feitas por comités maioritariamente estrangeiros. Se a sua carreira depender de avaliações sérias por padrões internacionais, as pessoas trabalham. Há uns anos, em Espanha, houve quem obtivesse um lugar de professor catedrático sem um único artigo publicado numa revista científica.
Como seria a receptividade das instituições a estas medidas?
Em relação a fazê-las competir e pensar na ciência que fazem (porque isto influenciaria o seu financiamento) são contra. Quanto a criar equipas de investigação que não dependem financeiramente das instituições, mas de uma agência de financiamento externa, estão receptivas.
Tornar as universidades competitivas é uma grande mudança estrutural e cultural. Como é que pode ser feito?
[Risos] Essa é a questão. As coisas que se podem fazer não são revoluções, mas pequenas mudanças que podem ter grandes consequências.
Por exemplo, em países de topo a nível científico, a todo o financiamento atribuído a um projecto de investigação é cobrada uma enorme taxa (overhead) pelas universidades, que pode chegar até 50 por cento. O cientista recebe 100 e a instituição fica com 50 para gastar como quiser. Nos países com mais endogamia, os overheads tendem a ser baixos. Por exemplo, até este ano, em Espanha eram de 15 por cento.
Do ponto de vista dos administradores da universidade são trocos. Se baixar um pouco o dinheiro atribuído por cada aluno e aumentar o financiamento que vem dos overheads, a investigação torna-se importante porque define o dinheiro que entra no sistema. E as universidades começam a querer contratar pessoas que ganhem grandes projectos e tragam muito dinheiro.




A endogamia pode afectar a produtividade científica das universidades portuguesas

A endogamia tem um efeito claramente negativo na produtividade científica, segundo números da base de dados de publicações ISI Web of Knowledge, compilados por Arcadi Navarro.
No Reino Unido, apenas dois em cada dez elementos da faculdade são recrutados internamente, e foram em 2005 produzidos 1463 artigos científicos por milhão de habitantes. E cada um deles foi citado noutros artigos em média mais de três vezes, o que é uma medida da sua importância.
No caso espanhol, em que 19 em cada 20 professores universitários são recrutados na instituição, foram publicados 834 artigos por milhão de habitantes, citados 2,2 vezes. Portugal produziu 608 artigos por milhão de habitantes em 2005, citados em média menos de duas vezes. Não há nenhum trabalho específico sobre a endogamia nas universidades portuguesas. O Observatório da Ciência e do Ensino Superior (OCES) apresentou dados obtidos noutros estudos e apresentou-os quarta-feira no debate Endogamia e Mobilidade na Universidade Portuguesa.
Mas os números não são directamente comparáveis com os publicados por Arcadi Navarro na Nature. Nos dados do OCES foram considerados os docentes que se doutoraram na própria instituição, ao passo que o critério usado por Navarro para definir endogamia foi a instituição onde estavam quando publicaram o primeiro artigo científico. Também não são comparáveis com o estudo a nível europeu publicado por Manuel Soler na Nature (ver gráfico), porque este apenas se refere a duas áreas (zoologia e ecologia).
No entanto, os números existentes permitem concluir que a endogamia é claramente predominante nas universidades portuguesas: segundo os números do OCES, sete em cada dez professores fizeram o doutoramento na mesma universidade em que agora têm um emprego.

3 comentários:

Er63 disse...

Filipe, tenho dados preliminares sobre a endogamia lusa no Cabinet

heteroclinica disse...

Será esse um critério absoluto para avaliar a qualidade duma escola?
Então, os politécnicos portugueses estão à frente das universidades, pois nenhum dos seus docentes obteve o doutoramento na escola onde lecciona...
Isso não chega...

Filipe Moura disse...

Vasco, só graças à Fernanda Câncio pude ver quem és e a que te referes. Obrigado.

Heteroclínica, antes de o s politécnicos chegarem a uma situação de inbreeding, tinha de haver um número significativo de doutorados no seu corpo docente, algo que não se verifica. A esmagadora maioria dos docentes do politécnico não são doutorados.