2006/05/31

Das purezas ideológicas

Oitenta anos depois do golpe de 28 de Maio, parece que uma certa direita "moderna" e muito revisionista (na pessoa de dois jovens historiadores) põe abertamente em causa a natureza fascista do salazarismo. Pode com certeza discutir-se quão "fiel" à ideia original do fascismo, de origem italiana, era o regime em causa. Desde que não se conteste a sua natureza ditatorial e repressiva, tudo bem. Há muitas ditaduras de direita. Nenhum regime político é "puro", como na doutrina. A política tem muitas nuances. Mas não me incomoda que digam que Salazar não era fascista. Eu, por exemplo, digo que Estaline não era comunista.

9 comentários:

Luis disse...

O problema destas discussões é que rapidamente se tornam apenas discussões semânticas ...

Nelson disse...

E eu digo que Vale e Azevedo não era benfiquista!

Fiambrelete disse...

Ao ler um pouco mais sobre o 28 de Maio de 1926 encontrei um site da Fundação Salazar que é o seguinte: http://www.salazar.pt.to/. O site tem uma parte histórica que não é desinteressante embora tenha que ser lida com cuidado. Há no entanto uma frase assustadora no final da secção intitulada "Estado Novo" e que diz: 'Em consequência de tudo o exposto, o juízo ponderado, em vermos da História, do Estado Novo de Salazar é altamente positivo.
'
Aqui é que eu me passei pois parece que se esqueceram que havia uma polícia política que matou muitas pessoas e maltratou ainda mais pessoas.
Pois eu digo que o Salazar era um ditador sem escrúpulos e que infelizmente começam a haver por aí muitos com ideias execráveis iguais às dele.
Eu sou pela LIBERDADE. Abaixo as ditaduras e o grande poder económico que as pretende instituir.

Filipe Moura disse...

Ah homem de esquerda!

vanessa disse...

Não querendo defender aqui uma teoria da conspiração, convém ter presente que estas discussões terminológicas não são de todo inocentes, e obedecem a um objecto bem concreto. Em tudo iguais ao folheto de apresentação sobre o condominio de luxo que vai ser construído na António Maria cardoso. Que, vai-se lá a saber porquê, não refere a ocupação sofrida por aquele edificio durante o séc. XX. A mim não me incomoda a discussão da terminologia a usar, mas eu ainda sei algumas coisinhas. E quem vier depois de mim?

bruno cardoso reis disse...

Olá Filipe

Muito de sensato, sim senhor, algumas das coisas que dizes. Mas esqueces que o fascismo é uma doutrina mais compósita e vaga do que comunismo. Que nunca houve, por exemplo, uma verdadeira internacional fascista, um manifesto fascista, ou um equivalente do Capital.

Mais importante ainda, Salazar nunca disse que era fascista (aliás acabou com os camisas azuis que reclamavam essa herança e reclamavam contra a moleza de Salazar). Estaline sempre reclamou ser o comunista por excelência (e o PCP mostrou ser um bocadinho mais resistente do que os camisas azuis). A tua opinião sobre o assunto parece-me um bocadinho menos relevante do que a deles.

Para um historiador toda esta comoção é ridícula. Há muito que se discute se o Salazarismo é fascismo ou não, e o que seja (ou se faz sentido) falar de um fascismo genérico. Aliás, entre os relativamente cépticos está Fernando Rosas (que fala de um período fascizante nos anos trinta sob influência da Guerra Civil espanhola). E entre os defensores de Salazar como um fascista peculiar está Manuel de Lucena. O que torna leituras políticas óbvias um bocadinho complicadas.

Filipe Moura disse...

Obrigado pelos vossos comentarios, Vanessa e Bruno.
Bruno, parece-me que tambem ha varias "versoes" do comunismo. Houve varias Internacionais Comunistas, com diferentes interpretacoes. Nao quero com isto dizer que nao era em nome do comunismo que o Estaline fez o que fez! Em contrapartida o Salazar, que eu saiba, nunca falou em "fascismo", apesar de a maioria dos historiadores, creio, o considerar fascista (ou pelo menos aude inspiracao fascista). Ora aqui esta outro topico interessante de discussao! Mas eu nao quero estar aqui a fazer leituras obvias. So quero discutir um pouco, esperando nao dizer disparates. Obrigado pelos teus reparos.
Concordo plenamente contigo, Vanessa.

André Azevedo Alves disse...

O Luciano Amaral e o Rui Ramos tem muitos meritos mas infelizmente nao poderao reclamar o avanco que o Filipe Moura generosamente lhes atribui.

Quanto a Estaline nao ser comunista, ou e' para fazer uma gracola ou 'e puro nonsense (na linha: "todos os regimes comunistas foram totalitarismos sanguinarios, ergo, nunca hove um regime verdadeiramente comunista")

André Azevedo Alves disse...

So' compreendo a obsessao de distribuir "medalhas" de fascismo a torto e a direito ou por ignorancia ou por razoes de propaganda politica. Qualquer uma delas e' pouco recomendavel.

Se fascista e' o que um homem de esquerda quiser, entao o conceito de fascismo nao serve para nada.