2007/05/02

Resumo da minha jornada de protesto

A manife dos precários começava na Alameda D. Afonso Henriques, mas eu decidi começar por passar pela Alameda da Universidade de Lisboa. Estava tudo animado, apesar da chuva, com stands de diversas origens. Destaques para a gastronomia na Casa do Alentejo e na Associação de Amizade Portugal-Cuba.
Os trabalhadores protestam contra a globalização, mas a música que dá o tom é o Manu Chao. Já fui a manifestações em três países diferentes, e nos últimos anos é sempre ao som do Manu Chao. Mais global não poderia ser.
Percorro a Av. do Brasil e a Av. de Roma em busca da manifestação geral, que vinha do estádio 1º de Maio.
Havia na manifestação um sector de trabalhadores do Bloco de Esquerda (com símbolo do partido e tudo). Havia ainda um carro do PCP parado fora da manifestação, que tocava o hino do partido enquanto eram distribuídos folhetos da Festa do Avante! 2007. Tudo isto... à porta do Hospital Júlio de Matos.
A ABIC (bolseiros de investigação científica) vinha à cabeça. Os trabalhadores precários vinham mesmo no fim. Não sei qual terá sido a origem desta separação, uma vez que os bolseiros são também precários e era para ter vindo tudo junto. Espero que não tenha havido sectarismo. Deixei-me estar junto aos precários. Também lá havia cientistas.
No regresso à Alameda da Universidade, a música tinha sido substituída por palavras de ordem como "com políticas de direita o país não se endireita", "flexisegurança para o capital encher a pança", "greve geral contra o que está mal", "Sócrates escuta, o povo está em luta". Tudo repetido quatro vezes por um homem e uma mulher de voz mais esganiçada que a Daniela Ruah. Achei que era demais para mim e vim-me embora, com saudades do Manu Chao.

2 comentários:

Luis disse...

lol ... acho que se passaram à porta do Júlio de Matos tinha-me feito bem ir!

JV disse...

Em Lisboa acontecem coisas giras!