2006/09/02

O mundo de Bush

Subscrevo na íntegra este editorial de João Morgado Fernandes:

A seguir ao 11 de Setembro, a América reagiu da melhor maneira. A invasão do ninho de terroristas do Afeganistão e o reforço das medidas de segurança interna, mesmo com sacrifícios das liberdades, mereceram aplauso geral e, passados cinco anos, o balanço é francamente positivo.

A aventura do Iraque, pela desmesura de meios despendidos tendo em conta os resultados, as fundas divisões que criou na comunidade internacional e a descredibilização da própria América, fragilizou irremediavelmente o lado "dos bons".

Agora que o mundo está, de facto, perante a ameaça real de um Irão radical, apoiante de terroristas, a trabalhar para a bomba atómica, pouco mais podemos fazer que aguardar estupefactos por um improvável assomo de bom senso. Porque, seja o que for que a América ou "nós" fizermos para conter os fanáticos de Teerão, teremos sempre de contar com a resposta do vespeiro de terroristas que Bush criou ali ao lado, no Iraque.

2 comentários:

João Miguel Almeida disse...

Eu só subscrevo o segundo parágrafo, apesar da invasão do Iraque me ter parecido um disparate desde o início e de ter tido as minhas dúvidas quanto ao Afeganistão. É certo que os taliban eram bem piores do que o Estado laico de Saddam e que usava da força para evitar a guerra civil. Mas a invasão do Afeganistão fracassou no seu objectivo: capturar Bin Laden. E hoje o Afeganistão continua a ser um território incontrolável, que não recuperou das devastações dos taliban e da guerra.

João Miguel Almeida disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.