2006/10/30

António Lobo Antunes: relato de uma visita a Israel

Extracto de uma entrevista à Pública de ontem:

R.- O horror do aeroporto. A bagagem, o interrogatório. Mostrei a carta a explicar por que ia lá, mesmo assim continuaram, os livros eram vistos página a página... Depois o clima permanente de medo. Depois a sensação de que aquele Estado foi criado sobre o ódio. O ódio dos alemães. O Holocausto, sempre, sempre, sempre. Levaram-me a um bairro alemão. E eu perguntei ao senhor que estava sempre comigo: "Então e os alemães?" "Ah, isso corremos com eles todos."
Como me chocou, por exemplo, dizerem que não tinham relações sexuais com não-judeus.
P.- Mas quem é que lhe disse isso?
R.- Esse senhor. E não foi só ele. Como me chocou, por exemplo, se sou judeu posso ir para lá morar, mas se sou judeu etíope só aceitam 300 por ano. Como me chocaram os sábados, aquilo tudo deserto, com os carros que não se podem guiar. E depois não era nada do que eu esperava, pensava que a Terra Prometida fosse muito bonita. São pedras e areia. Tudo amarelo...

Noutra parte da mesma entrevista:
P.- Quando ganhou o Jerusalem Prize, no ano passado, hesitou antes de ir?
R.- Não. Porque vinha acompanhado da garantia de que eu podia chegar lá e dizer o que quisesse em relação ao problema palestiniano, que me indigna muito. E não falei sobre isso.
P.- Mas porque não quis.
R.- Não quis ser indelicado. Era um convidado. Naqueles dias era a pessoa mais importante que lá estava. Tinha aquela segurança toda, o primeiro-ministro... Não quis. Achei que era indelicado. E achei que não era altura. Falei sobre isso com um amigo meu, o Amos Oz. E não gostei da posição que ele agora tomou, pró-guerra [no recente confronto entre Israel e o Hezzbollah libanês]. Nem entendo. Somos amigos, gosto muito dele.

Não esperava que um homem polémico como António Lobo Antunes padecesse do mesmo mal português tão comum que é o evitar conflitos a todo o custo (sem se aperceber de que muitas vezes assim se geram os maiores problemas). Desde quando é que expressar uma opinião sobre um assunto é indelicado? É claro que há formas indelicadas de expressar uma opinião, e isso eu compreendo que Lobo Antunes evite, principalmente sendo um convidado. Agora, não a exprimir de todo? Preferir calar-se para "não arranjar problemas" (para si mesmo), mesmo se esses problemas existem (e se muita gente em Israel os denuncia)? Preocupar-se mais consigo mesmo do que com os mais fracos? Não querer afrontar os poderosos?
O que me impressiona mais é que quem toma esta atitude é um escritor que, em Portugal, não tem papas na língua (a entrevista à Pública é só um exemplo). Subserviente fora de casa; em casa, dá-se ares de muito bravo. "Na guerra és vil, na cama és frouxo", já cantava o Chico Buarque do português de Calabar. Há atitude mais portuguesa que esta? António Lobo Antunes merece ser nomeado para o título de "português mais português".

8 comentários:

João Miguel Almeida disse...

A questão é que, mesmo em relação a Portugal, António Lobo Antunes faz declarações altamente conformistas elogiando José Sócrates, Cavaco Silva e Ribeiro e Castro. Está no seu direito, claro, mas não deixa de ser estranho dado ter-se afirmado como «escritor maldito».
Parece-me que representa é um sector da burguesia portuguesa esquerdista na juventude e bem instalado na maturidade.

pvnam disse...

««««mini-------spam»»».
( ... antes que seja tarde demais... )
O caminho a seguir é o SEPARATISMO ÉTNICO:
------> 1) um espaço ( 50% ) de Competição Global;
------> 2) outro espaço ( 50% ) de Reserva Natural: para a preservação das Identidades Étnicas Autóctones.
{ ver: separatismo-50 }


NOTA 1:
O Espaço de Competição Global (50%) será para aqueles europeus (a maioria: Parasitas Engenhosos -> vulgo Parasita Branco) que:
-1- Pretendem andar no Planeta a curtir mão-de-obra servil imigrante ao 'preço da chuva'...
-2- Pretendem andar no Planeta a curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma [apesar de... nem sequer constituírem uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!!!]

NOTA 2:
O Espaço de Reserva Natural (50%) será para aqueles europeus (uma minoria) que pretendem estar no Planeta - com dignidade, coragem e determinação - a Lutar pela Sobrevivência da SUA Identidade.

NOTA 3:
- Todos Diferentes!... Todos Iguais!...
---> Isto é, todos os Povos do Planeta - inclusive os de menor rendimento demográfico, inclusive os economicamente menos rentáveis - devem possuir o Legítimo Direito de ter o SEU espaço no Planeta -> em particular, devem existir Espaços de Reserva Natural para a preservação das Identidades Étnicas Autóctones.


ABRAM OS OLHOS:
Ao mesmo tempo que falam dos problemas ambientais existentes no Planeta... os Parasitas Engenhosos [com o objectivo de branquear a sua Parasitagem no Planeta] são INTOLERANTES para com a existência de Sociedades Alternativas {1- Sociedades de Responsabilidade Demográfica; 2- Sociedades de Responsabilidade Ambiental,... ou seja: Estados Étnicos para a preservação das Identidades Étnicas Autóctones -> Reservas Naturais de Povos Nativos}...... pois...... a Ocupação da Europa por outros Povos - SUBSTITUIÇÃO POPULACIONAL - deve ser considerada um processo «perfeitamente natural»...... e não...... o resultado da acção de um Bando de Parasitas (vulgo Parasita Branco) que pretende andar no Planeta a Curtir à custa dos OUTROS.


P.S.:
Veja-se aquilo que aconteceu na Bélgica:
-> Face ao crescimento do partido Separatista Vlaams Belang... a Parasitagem Engenhosa belga desatou a naturalizar imigrantes (e filhos de imigrantes) em 'quantidades industriais'!... Pois... os imigrantes (e filhos de imigrantes) são uns Predadores Insaciáveis que ambicionam ter o Caminho Livre para Ocuparem e Dominarem mais e mais novos territórios!... Logo... eles irão combater o Separatismo Étnico Autóctone.

Filipe Moura disse...

João, de acordo, mas só com um reparo: ele faz elogios pessoais ao Ribeiro e Castro (que conheceu, provavelmente em Angola), não políticos.

Luis disse...

Filipe:

Ele se quisesse marcar mesmo uma posição o que fazia era rejeitar o prémio ...

Xantipa disse...

Concordo com o Luís: recusar o prémio, sim. Aceitá-lo e visitar quem o oferece e não respeitar a «casa», não.
Se recusasse o prémio até teria, provavelmente, projecção internacional e poderia aí explicar as razões da recusa, enfatizando o seu desacordo com a guerra.
Se não o fez...

Filipe Moura disse...

Lamento mas discordo. Os prémios são um reconhecimento ao talento. Não têm (ou não devem ter) nada a ver com política. Também não concordo com a atitude do Brando ao recusar o Óscar ou do Sartre a recusar o Nobel. Prefiro a atitude do Michael Moore (de quem eu gosto muito): vai lá, recebe o prémio e deita aquilo tudo abaixo. Opções...

Filipe Moura disse...

Julgar que, por se fazer uma crítica (concordo - deve ser educada) ao Estado de Israel, não se tem o direito a receber um prémio por este atribuído é que me parece muito próximo do que pensa o Rui Rio, desculpem lá...

Luis disse...

"Julgar que, por se fazer uma crítica (concordo - deve ser educada) ao Estado de Israel, não se tem o direito a receber um prémio por este atribuído é que me parece muito próximo do que pensa o Rui Rio, desculpem lá..." (bold meu)

Eu não iria tão longe, dizendo que a critica obriga a abdicar do prémio.

Acho é que aceitar o prémio é desde logo um compromisso, o que o premiado tem que decidir é o que é mais importante se é o prestigio ou a critica.

Filipe, acredita que eu sou bastante mais blazet do que pode parecer nesta matéria ;)