2008/01/25

“Sem talões nem complicações”

Nunca simpatizei com o conceito de “publicidade negativa”, de fazer publicidade dizendo mal da concorrência. E isto apesar de ter vivido nos EUA, onde esse procedimento é muitíssimo habitual, tanto na política como no comércio.
Por muito boas que sejam as razões do Pingo Doce, não aprecio a campanha publicitária intensa a que temos assistido (motivada pela saída do Carrefour, e pelo desequilíbrio que tal causou no mercado, com a procura de novos clientes). A repetição intensiva da “ausência de talões, cartões e outras complicações” é dedicada exclusivamente à concorrência e demonstra falta de ideias. Uma campanha assim centrada em denegrir o concorrente demonstra que quem a faz não tem argumentos ou qualidade para se impor por si próprio. O que até nem é o caso do Pingo Doce. Uma referência simples aos “preços sempre mais baixos, sem promoções, todos os dias da semana” (sem esta obsessão com a concorrência) era mais simpática. Não sei se seria mais eficaz.
A insistência nas lamentações da “dona de casa” que “está farta” dos “talões e complicações” das outras lojas demonstra duas coisas pouco simpáticas: que o Pingo Doce vê os seus clientes como burros (os talões e cartões do Minipreço não têm complicação nenhuma!) e fúteis. É que após ouvir aquele anúncio repetido tantas vezes no horário nobre da televisão só dá vontade de gritar à “dona de casa desesperada” que o faz que pare de nos chatear e procure outra loja. Queixam-se das chatices causadas pela concorrência, e nem se dão conta de como o anúncio é chato!
Felizmente registo com agrado que o Minipreço responde evidenciando somente as suas qualidades de cadeia de desconto, sem baixar nunca o nível. Exemplar.
Entretanto a campanha dos DVDs do Correio da Manhã, para ser comparada com os cartões necessários para os obter no Diário de Notícias (e a brincar obviamente com a campanha do Pingo Doce), já me parece bastante engraçada. Um achado.

3 comentários:

Nelson disse...

os cartões e talões a que se refere o Pingo Doce não são só os do Mini-preço. São também os do Continente/Modelo e Auchan além de outras cadeias de grande distribuição que apostam nos cartões como forma de fidelização. Devo dizer-te que a campanha do Pingo Doce funciona comigo: eu também estou farto das promoções baseadas em descontos em compras futuras e pontos a acumular num qualquer cartão, onde por 1 euro de compras me dão 1 cêntimo em bónus e ainda têm o privilégio de manter em base de dados a frequência com que troco de marca de papel higiénico.

Cristina disse...

Ia para comentar, mas vi que o nelson já disse tudo o que ia dizer :)
Estou tão saturada de me pedirem em todo o lado para preencher os dados pessoais "para ter o descontozinho"... *clapclap* pingo doce

Filipe Moura disse...

Reconheço que o Pingo Doce tem estas vantagens, mas acho que exagera na forma negativa de apresentar os outros. A campanha é toda centrada nos defeitos dos outros, que eu não me importaria que fossem referidos desde que não fossem como o aspecto principal. É uma questão de gosto, talvez, mas eu não gosto...