2009/08/31

Tchau Roca

Aeroporto de Lisboa, zona de embarques, Janeiro de 2006
Obrigado por tudo. E estou farto do treinador que não te soube aproveitar.

2009/08/28

Efeméride 3 - 400 anos do telescópio de Galileu

Passam 400 anos sobre as observações e, por isso, este é o Ano Internacional da Astronomia. Nada melhor para ler do que o Klepsýdra.

2009/08/23

2009/08/21

Efeméride 1 - o Raul morreu há 20 anos atrás

O "concorrente"

Entendo que as grandes superfícies de comércio alimentar precisem de propaganda televisiva para terem visibilidade (o saudoso Carrefour deveria ter apostado mais nisso). Entendo menos a propaganda que visa somente denegrir o concorrente (que foi inaugurada pelo Pingo Doce e seguida pelo Jumbo). Nisso o Minipreço é exemplar. Lamento que o LiDL a siga. E não compreendo esta sanha contra o Continente (de que eu estou longe de ser fã, como é sabido), quando o principal concorrente do LiDL nem é o hipermercado da Sonae.

2009/08/19

António Brotas sobre o ensino da medicina

Leio hoje em título, na primeira página do DN, a notícia de que 40 médicos cubanos vão ser contratados para cobrir a falta de médicos em Portugal.

É sabido que Cuba tem dado no campo da saúde uma significativa ajuda a países que estão ainda hoje numa situação de atraso, mas que começam, muito rapidamente, a deixar para trás a situação de países em via de desenvolvimento.

A decisão de contratar médicos cubanos é, possivelmente, neste momento, uma decisão acertada, mas a população portuguesa tem o direito de ser informada dos antecedentes que fazem com que hoje sejamos, provavelmente, o único país da Europa a precisar do auxílio cubano.

Em 1973, numa altura em que não havia números clausus no acesso ao Ensino Superior, entraram nas Faculdades de Medicina portuguesas cerca de 4000 estudantes. Este número tinha vindo a crescer vertiginosamente desde 1970. O regime, que precisava de médicos para a guerra em África, não se preocupou muito com o assunto porque é relativamente simples assegurar nas faculdades o ensino dos três primeiros anos de medicina. O problema é depois, com o ensino hospitalar no 4º ano. À medida que aumentava o número de alunos nos primeiros anos, o número de chumbos em Anatomia diminuía e, assim, o número de alunos no 4º ano de medicina em Outubro de 1974 aproximava-se dos 4000.

Este foi o problema de mais difícil e que nos exigiu mais trabalho, ao Secretário de Estado do Ensino Superior, Avelãs Nunes, que me antecedeu em 1974-75, e a mim próprio em 1975-76. Mas havia, sobretudo, que cuidar do futuro. Avelãs Nunes tomou a decisão de que em 1975 não haveria inscrições no primeiro ano de Medicina, mas num
tronco comum a vários cursos, entre eles o de Medicina, com a duração de um ou dois anos consoante a vontade das faculdades.

Assim, em Outubro de 1975, inscreveram-se neste tronco comum 4.500 estudantes, dos quais cerca de 1.200 na Universidade do Porto. A Faculdade de Medicina do Porto fez-me saber que queria um tronco comum só com um ano, e que no ano seguinte só aceitaria 300 alunos em medicina. A Secretaria de Estado do Ensino Superior teve, assim, no curto espaço de 10 meses, de activar a entrada em funcionamento de uma nova escola de medicina, o Instituto Abel Salazar, de criar de raiz uma Escola de Medicina Dentária, de criar um curso de Nutricionismo e de reorganizar o ensino da Educação Física no Porto. No ano seguinte, dos 1.200 inicialmente inscritos no Porto tronco comum, entraram em medicina, após negociação com a faculdade, 350. Em Lisboa, a faculdade preferiu um tronco comum com dois anos, e no ano seguinte deixou entrar todos em medicina.

Mas havia que pensar no futuro. Se eu não tomasse não tomasse nenhuma decisão, em Outubro de 1976, inscreviam-se de novo 4.500 estudantes no tronco comum. Fixei por isso, por despacho, no final do meu mandato como Secretário de Estado, creio que em Julho, em 1600 o número de estudantes a admitir em Outubro no tronco comum repartidos pelas várias Universidades. Pensei que destes, cerca de 800 viriam a seguir medicina.

O que sucedeu foi que, nas duas décadas seguintes, as faculdades de medicina desceram este número a cerca de 400. É este cavado entre o número de 800, que deveria subir lentamente, e os 400 efectivamente entrados, que nos obriga hoje a recorrer aos médicos cubanos.

Hoje, vejo os Reitores de muitas Universidades acordar para este problema e todos a exigir a sua faculdadezinha de medicina. Quando fui Secretário de Estado do Ensino Superior, reunia-me uma vez por mês, em diferentes cidades do país, com todos as escolas. Sempre pensei que, depois, seriam criados órgãos horizontais, que reunissem todas as escolas de Medicina, todas as escolas de Agricultura, todas as Escolas de Engenharia.... Seriam estes órgãos que dariam ao Ministério uma visão de conjunto e o aconselhariam sobre o que haveria a fazer. Agora, obviamente, com o concurso dos Partidos e da Assembleia da República.

Para terminar desejo dizer que o tronco comum instituído pelo Avelãs Nunes, em 1975, é o que hoje usa a França. É muito, provavelmente, o que permite uma melhor escolha dos futuros médicos, pois permite às faculdades influenciarem esta escolha e não ficarem unicamente obrigadas a receber os alunos seleccionados pelas notas altas
obtidas no Secundário.

Penso que a população portuguesa tem o direito de ser informada destes assuntos que dizem respeito não unicamente ao seu passado, mas também ao seu futuro.

António Brotas

2009/08/17

Depois dos amigos do Bonifácio, os amigos do Moita de Deus

Sobre o fait-divers que tem vindo a ocupar a silly season (desculpem os estrangeirismos): depois de apontar tão bem as contradições da direita, não percebo que haja quem seja contra a aplicação das leis da república. É isso que distingue a república, e torna a monarquia inaceitável: na primeira, não há (em teoria) cidadãos privilegiados, e as leis são as mesmas para todos. A menos que não se concorde com as leis da república (ou por puro amiguismo). Era bom que se esclarecesse este ponto de vista. Ler o Ricardo Alves.

(Nota: embora não o conheça pessoalmente, tenho grande simpatia pelo Rodrigo Moita de Deus (um excelente blóguer), que já me ofereceu a sua solidariedade em “casos” da blogosfera. Infelizmente, e desde que se cumpra sempre a lei, não lhe posso oferecer a minha neste caso. Apesar de tudo, bem mais sério do que puro html.)

2009/08/12

Varanda do disparate

Quando fui para Paris li pela primeira vez o Sol, que era um dos títulos diponíveis para serem oferecidos aos passageiros. (Andar na TAP tem destas vantagens.) Encontrei esta crónica de Mário Ramires repleta de erros factuais. Apesar de eu subscrever a ideia base de que há que melhorar os transportes públicos, tal não pode ser desculpa para tudo.
Não é verdade que uma viagem de comboio entre Lisboa e Carcavelos custe 2,20 euros: tal inclui o preço do Cartão Lisboa Viva (50 cêntimos), que só é pago uma vez, é recarregável e dura um ano. A única coisa que eu acho estúpida neste cartão é o facto de ele só durar um ano (o meu andante do Porto tem três ou quatro anos e funciona lindamente). Mas não é verdade que se tenha que comprar um em cada viagem, como se parece concluir da crónica do referido senhor. Que também refere os preços "exorbitantes" dos transportes públicos em Lisboa, que é um outro disparate (sugeria-lhe que saísse um bocadinho e comparasse com os de outras cidades). Se o senhor está tão preocupado com os preços, já pensou no preço do jornal que escreve? Já pensou em quem desembolsa 2,50 euros (não é o meu caso) para ler semelhantes baboseiras?

2009/08/10

Se isto é um "Blogue de Esquerda"

Mesmo não conhecendo de todo o processo de recrutamento, e apesar de reconhecer que a ideia por trás dele possa ter sido alguma reorientação mais próxima do PS, não me parece que a principal responsabilidade pelas escolhas para o novo "Blogue de Esquerda" (assim entre aspas) seja da administração da Sábado. O problema é que quem escolhe os novos membros não conhece muito mais para além do Eleven e, portanto, não consegue formar outro tipo de equipa. Até mete a ala direita do PSD. Mas a política é o menos, não é, cara Marta Rebelo?

(Ler o regressado Luís M. Jorge.)

2009/08/08

A esquerda tem sempre que redistribuir

Embora concorde que a esquerda responsável tem que procurar criar riqueza, nisso se distinguindo da extrema esquerda, discordo do tom deste texto do João Galamba, que secundariza a redistribuição em relação à criação de riqueza. O papel histórico da esquerda sempre foi redistribuir. É o seu código genético. O PS (em quem eu vou votar em Setembro) tem de se distinguir à sua esquerda por ser capaz de gerar riqueza e à sua direita por a redistribuir. Uma esquerda que secundarize a redistribuição em pouco ou nada se distingue do centro e da direita.
O texto do João é pura "terceira via". A "terceira via" não está a ter um lindo fim. Respostas diferentes precisam-se.

2009/08/06

O “caso Bonifácio”: muita liberdade e nenhuma responsabilidade

Na blogosfera que eu li - vários blogues, da esquerda à direita – é a unanimidade nacional: a liberdade de opinião de João Bonifácio, enquanto crítico musical, é absoluta e indiscutível. João Bonifácio é intocável. Mesmo que Bonifácio, para criticar um concerto de um grupo que não gostava e a que não lhe apetecia ter assistido, se refira de uma forma de gosto muito duvidoso a esse grupo e aos adeptos de um clube de futebol. Uma vez mais, a blogosfera parece reduzida a um grupo de amigos que fazem do João Bonifácio a nova causa. Falo de pessoas por quem tenho consideração: aqui, aqui. E também aqui.
Ora bem: João Bonifácio é crítico. Ou seja, é jornalista. Ser jornalista é bem diferente de assinar uma coluna de opinião. Um jornalista tem que fazer trabalhos de que não gosta, como toda a gente. E, embora uma crítica (musical, de futebol, seja do que for) seja sempre subjectiva, parece-me evidente que um crítico, enquanto jornalista, não pode ter a mesma liberdade criativa que um colunista de opinião. Apesar de em ambos os casos os textos virem assinados, o que um crítico escreve vincula muito mais o jornal do que o que é escrito por um colunista. Quanto mais não seja porque um crítico é (ou deve ser) um assalariado do jornal, com um contrato de trabalho. Um colunista em geral não tem um contrato de trabalho com o jornal.
Se João Bonifácio quer ter a liberdade de expressão, e sobretudo se não quer ter a responsabilidade associada ao cargo de jornalista, tem bom remédio: que passe de jornalista a colunista. Peça ao Público para lhe alterarem o contrato de trabalho. Se não perceber bem a diferença entre um colunista e um jornalista, pergunte ao João Miguel Tavares a diferença.

2009/08/04

Rue de la Tombe Issoire




Por razões pessoais, sentimentais, esta é a minha rua favorita de Paris. Nunca aqui morei (morava no Bd. Jourdan, como todos os residentes da Cité Universitaire), mas era a rua onde eu mais andava (e mais gostava de andar) de bicicleta (e as ruas que se lhe seguiam, quando se saía do 14ème: a do Fb. St. Jacques e de St. Jacques, todas elas parte do Caminho de Santiago de Compostela). Seguia nela sempre que me dirigia ao centro ou regressava a casa. Nomeadamente, para os seminários no Instituto Poincaré.
Gostava tanto desta rua, o símbolo da "minha" Paris, que pensei mesmo em criar um blogue com o seu nome. Não podia deixar de lá passar, neste meu regresso à cidade-luz. E encontro uma surpresa - uma escultura de um gigante, pendurada na escola primária. Associada a essa escultura, a explicação da mesma - e do nome da rua, algo que sempre me intrigara. E que muito me surpreendeu. Então não é que "Issoire" era um português (na altura em que Portugal estava sob domínio mouro), de Coimbra? Diz a lenda que este português tinha "a altura de três homens" e se dedicava a atacar (e matar) peregrinos do Caminho de Santiago, na cidade de Orleães. A certa altura, Issoire dirigia-se a Paris, com o objectivo de a conquistar. Morreu decapitado num combate com Guilherme d'Orange. Como Issoire era demasiado grande e pesado para que pudesse ser transportado, a população decidiu enterrá-lo no local onde ele morreu. Este local é, hoje, a Rue de la Tombe Issoire!
Nunca esperei que esta rua estivesse associada ao túmulo de um português!
Para mais informações vejam aqui, aqui, aqui e aqui, de onde vêm as fotos.

2009/08/03

Restaurante "franco-italiano"


Na verdade é bem português, como a bandeira indica. Mas em Paris (e em grande parte do resto do mundo) ser "português" continua a não "vender". É uma pena.