2007/11/30

Um Europeu sem inglês

Quem já esteve na Suíça (eu estive uma vez, em Genebra, de visita ao CERN) reparou que tudo está escrito em quatro línguas diferentes: francês, alemão, italiano e romanche, as quatro línguas nacionais. Habituado ao francês, nem dei por que o inglês era inexistente. O inglês que, hoje em dia, quando não é a primeira língua é a segunda. Sempre presente. Deve ser caso único no mundo, este da Suíça, com todo o tipo de informações em quatro línguas e nenhuma é a inglesa. Ora, dado que o próximo Europeu de futebol é na Suíça e na Áustria e nenhuma selecção de língua inglesa vai nele participar, e se se retirasse todas as referências à língua inglesa do torneio?
Eu não tenho nada contra a língua inglesa, bem pelo contrário: uso-a todos os dias no meu trabalho, e vivi e estudei num país de língua inglesa. E é útil haver uma língua em que todos podemos comunicar. Esta ideia é talvez um bocado parva e inconveniente, pois é, mas não vos apetece variar do inglês de vez em quando?

2007/11/29

João Guerreiro, Jovem do Ano 2007


E o João, meu aluno, foi eleito. Há que dizer que teve uma divulgação e apoio que nenhum outro candidato teve (que eu tenha visto). Mesmo assim fico satisfeito por os portugueses terem premiado um feito na área da ciência, para variar.
Na aula de hoje vou dar-lhe os parabéns. Não por ter ganho uma eleição na rede. Mas sim por ser um craque a Matemática e a Física e por ser um bom colega, conforme posso observar. (E por ter derrotado o João Pereira Coutinho...)

(Nota: o João é aluno da LMAC, mas eu teimosamente continuo a arquivar estes textos no arquivo da LEFT...)

2007/11/28

Eu, o moderador

Certa vez, há muitos anos, era eu caloiro, a Associação de Estudantes do Técnico organizou um debate sobre dirigismo associativo universitário, tendo convidado antigos dirigentes. Entre eles, um então professor meu, hoje em dia ministro (não vou dizer quem é). Para moderar o debate, convidou um então jornalista, de esquerda, irmão de um outro então jornalista, de direita. O então moderador hoje é eurodeputado, e o seu irmão líder de um partido. Também não vou dizer quem é.
Assisti a um diálogo semiprivado entre os dois. O meu professor perguntou ao jornalista: “Então o que estás aqui a fazer?” O hoje eurodeputado respondeu, algo hesitante: “Bem, eu sou o moderador...” O hoje ministro atirou: “Moderador? Mas tu alguma vez moderaste alguma coisa na tua vida? Tu precisas é que te moderem a ti!”
Vem isto a propósito do simpático convite que o MISTA me endereçou para moderar o debate de hoje à tarde, sobre as eleições para a Assembleia Estatutária da Universidade Técnica de Lisboa. Se alguém me perguntar se alguma vez moderei algo na minha vida, posso sempre referir este debate. Só espero é que ninguém me diga o que o ministro disse ao eurodeputado...

2007/11/27

Boa ou má jornada?

Foi de facto uma jornada estranha, esta, em que o Sporting perdeu pontos para o FC Porto e Benfica e, ainda assim, subiu na classificação, graças às derrotas de V. Guimarães, Marítimo e V. Setúbal. "Os principais adversários do Sporting", dirão lampiões desavergonhados como este ou este. Na segunda volta vamos ver. Entretanto, hoje, divirtam-se mas vejam se jogam qualquer coisa.

2007/11/26

Miguel Sousa Tavares

Gosto do Miguel Sousa Tavares cronista e isso não é segredo para os leitores deste blogue. Tal não implica que eu goste do Miguel Sousa Tavares escritor. Não gosto e nem deixo de gostar - não tenho opinião formada. Sou selectivo com o que leio. Miguel Sousa Tavares é para mim o melhor cronista, mesmo quando eu não concordo nada com ele. Não creio porém que alguém pense que ele é o melhor escritor. Prefiro ler os melhores cronistas e os melhores escritores. Não perco uma crónica do Miguel Sousa Tavares, mas não vou ler um livro dele enquanto houverem Balzacs, Tolstois, Dostoiewskis e Saramagos para eu ler.

2007/11/24

Wonders - Festival Europeu de Ciência

Hoje voltei a fazer um holograma, muitos anos depois de ter feito o último. Não recorri a lasers nem a mesas ópticas, nem nada: só um acetato especial, um alfinete e um transferidor! É incrível mas é verdade! Os responsáveis vinham do Laboratório de Holografia da Universidade de Aveiro, mas estão (em conjunto com cientistas de toda a Europa) a fazer divulgação da ciência este fim de semana no Festival Europeu de Ciência, no Pavilhão do Conhecimento em Lisboa. Eu fui hoje, gostei e recomendo.

2007/11/23

"Semana da Física" - balanço pessoal


Termina hoje a semana da Física no IST. Mais um sucesso, com as sessões de divulgação e a exposição do "Circo da Física" sempre cheias de curiosos, de dentro e de fora do IST, e sobretudo de alunos das escolas secundárias ("futuros caloiros", como alguém muito bem lembrava). Da minha parte, obrigado pela oportunidade de rever velhas experiências (e novas, que nunca tinha visto). Obrigado pelos simpáticos convites, pela oportunidade de falar do meu trabalho e de participar num debate sempre animado, de conhecer e ouvir alunos motivados (o melhor que a LEFT sempre teve) ...e obrigado pelo vinho! (O vinho tinto é o néctar oficial da LEFT.) Foi um bela recordação de uma bela semana. E viva a LEFT, sempre.

2007/11/22

E a Inglaterra está fora do Euro 2008

Quem é que Portugal vai eliminar nos penaltis agora? E contra quem é que o Ricardo vai brilhar? Os ingleses (e os holandeses) são fregueses, como dizem os brasileiros. Recordemos o Euro 2004 e o Mundial 2006, mas também o Sporting na Taça UEFA 2005 (depois dos grupos só eliminou equipas holandesas e inglesas). E perdeu. Será desta que Portugal ganha alguma coisa?

2007/11/21

Le feu au bobottin


Na semana da LEFT, uma "pequena produção cinematográfica bordalesa". Participa um amigo meu, antigo aluno da LEFT.

2007/11/19

Semana da Física 11

Esta é a semana da LEFT por excelência. Eu vou andar por lá (IST, Pavilhão Central). Apareçam. É entrar, senhoras e senhores, meninas e meninos, é entrar!

2007/11/16

O Terreiro do Paço agora é na Avenida dos Aliados



Os portuenses que se queixam de que só Lisboa fica com tudo deveriam pensar nisto: a horrenda “árvore de Natal” que nos últimos dois anos ocupava por esta altura do ano o Terreiro do Paço vai estar instalada este ano na Avenida dos Aliados, sendo inaugurada amanhã.
Quando era presidente da Câmara de Lisboa, Jorge Sampaio disse uma vez aos regionalistas para “levarem o Terreiro do Paço” da cidade para fora. Sampaio referia-se à burocracia e não à belíssima praça em si. Recordo agora esta frase ao ver onde está a “árvore”, um mamarracho que é uma demonstração de novo-riquismo e que de árvore não tem mesmo nada. O Porto cobiça tanta coisa de Lisboa, e vejam bem logo com o que ficou. Se era este “Terreiro do Paço” que tanto queriam levar, pois por mim agradeço que fiquem com ele. Se me permitem uma recomendação, só não lhe chamem “a maior árvore de Natal da Europa”. Aquela coisa pode ser a maior da Europa, mas não é uma árvore de Natal.
Este episódio confirma que o Porto só aspira a ter o que Lisboa tem, incluindo o poder. O Porto é tão centralista como Lisboa; a “regionalização”, para o resto do norte, seria decidir entre o Porto e Lisboa. Não há grande diferença, como se confirma pela “árvore de Natal”. Era bom que o bracarense Pedro Morgado se convencesse disso e substituísse a fotografia que eu retirei do blogue dele por uma na Avenida dos Aliados. Quanto tempo demorará até vermos a “maior árvore de Natal da Europa” em Braga?

2007/11/15

L'Europe de la Connaissance et la Stratégie de Lisbonne

Ocorre aqui, na minha segunda casinha, onde nunca vivi. O programa é interessante e os convidados também.

"Por que no te callas?"

A questão que tanto pano para mangas tem dado nos últimos dias, para mim, resume-se a boa educação e respeito pelo próximo. Zapatero estava a falar e Chávez permanentemente a interrompê-lo, quando não era a sua vez de falar. Talvez quem devesse ter intervindo era a presidência da mesa. Não interveio, e o rei, que queria ouvir o orador, protestou, como qualquer cidadão normal. Não deve ter mais nem menos direitos.
Todas as discussões que tenho lido sobre o assunto são entre monárquicos e antimonárquicos, envolvendo ainda o colonialismo. A meu ver tal está errado: como disse, é tudo uma questão de ordem na mesa. Eu sou completamente antimonárquico, mas aqui no essencial tenho que apoiar o rei. A minha opinião seria a mesma se tivesse sido Chávez a sugerir a Juan Carlos que se calasse, se este estivesse a interromper outro interveniente. Será que os monárquicos e os que agora defendem Chávez diriam o mesmo?

2007/11/14

Abaixo o governo central! Abaixo a democracia! Viva a "liberdade"! Viva a blasfémia!

Notável frase, num comentário do Insurgente: "O sistema político americano (...) é um sistema não democrático que visa limitar o poder do governo federal" (destaque meu). Quando se discutir a "regionalização" em Portugal, lembremo-nos dela.
A sério: não tenho dúvidas de que os EUA são uma democracia. Cheia de imperfeições e com dificuldades estruturais muito maiores do que outras democracias, mas uma democracia. Os políticos americanos ou ignoravam essas imperfeições do sistema político americano (tipicamente os republicanos), ou reconheciam-nas e prometiam tentar melhorá-las (tipicamente os democratas). Mas é a primeira vez que eu vejo alguém (um conhecido adversário dos governos centrais) a defender as imperfeições da democracia norte-americana e a virtudes do seu carácter "não democrático"! Parabéns ao autor do comentário, João Miranda, pela honestidade. E que isto demonstre a natureza dos projectos políticos libertários, que já representam uma corrente importante nos EUA e começam a dar os primeiros passos em Portugal.

2007/11/13

Árbitros no Prós e Contras

Não o tinha escrito aqui no blogue, mas já o tinha afirmado aqui: Pedro Henriques é o melhor árbitro português. Desorientou-se no lance da suposta mão do Katsouranis (que não era penalti), no último Benfica-Sporting, e parou o jogo. Mas ajuizou bem. Mais ainda me convenci desta minha opinião ao ouvi-lo ontem no Prós e Contras sobre a introdução de novas tecnologias no futebol (repete hoje na RTP N, e está disponível na rede).

2007/11/12

Há muito tempo que não me sucedia isto

Estar a acompanhar um jogo do Sporting, com o Sporting a perder e eu só a querer que o jogo acabasse. Desde o tempo do Peseiro que tal não me sucedia. Sucedeu-me ontem.

Mais um teste político

Desta vez foi encontrado no Kontrastes. Façam-no vocês também! Seguem-se os meus resultados.
Your Political Profile:

Overall: 20% Conservative, 80% Liberal

Social Issues: 25% Conservative, 75% Liberal

Personal Responsibility: 25% Conservative, 75% Liberal

Fiscal Issues: 25% Conservative, 75% Liberal

Ethics: 0% Conservative, 100% Liberal

Defense and Crime: 25% Conservative, 75% Liberal

2007/11/09

Cappuccino do avesso

Desta vez fui eu o convidado para responder ao inquérito do blogue Kontrastes. Podem ler lá as minhas considerações sobre o estado actual (na verdade, há uns meses atrás) da blogosfera. Agradeço ao João Ferreira Dias a gentileza.

2007/11/08

Obrigado levezinho!

Cem golos é uma marca notável, mesmo se o resultado de ontem foi um bocado difícil de engolir.

A diferença de ocorrer no Terreiro do Paço

A diferença entre um acidente de viação ocorrer no Terreiro do Paço ou em outro ponto do país é que o Terreiro do Paço é talvez a praça mais movimentada de Portugal. Por lá passam todos os dias milhares, talvez dezenas de milhares de pessoas. Não é o único local em Portugal muito movimentado (nem sequer em Lisboa), pelo que não é de todo comparável com as estradas nacionais ou ruas pouco movimentadas, que são os casos que Helena Matos refere neste seu texto. Julgo que qualquer pessoa percebe que o que importa é que houve um grave acidente no Terreiro do Paço, junto às obras que duram há anos. Que há suspeitas de que tais obras possam constituir um risco para a segurança de quem atravessa a praça todos os dias. Que um acidente isolado no Terreiro do Paço pode pôr todas estas pessoas a pensar que tal poderia ter sucedido com elas, mas tal nunca sucederia num acidente isolado numa praça qualquer de Coruche. Sem querer desrespeitar os mortos neste e em todos os outros trágicos acidentes que Helena Matos refere, o que faz a notícia e desperta o interesse neste caso não é o acidente em si (acidentes há muitos, como Helena Matos o demonstra). O que faz a notícia é mesmo o acidente ter ocorrido numa praça movimentada em obras, neste caso o Terreiro do Paço.
Temos falado aqui muito de provincianismo nos últimos dias. Este texto do Blasfémias é demagógico, populista e demonstra um certo provincianismo. Já agora: Helena Matos escreve duas vezes por semana num jornal de referência. Se acha mesmo que este caso demonstra que "os jornais de referência têm um entendimento snob da vida", por que não terá abordado este assunto lá, directamente, nas suas crónicas?

2007/11/07

Aos 33

Aos 27 anos senti que estava perante uma encruzilhada. Naquela altura tive que escolher se queria ser homem ou se queria continuar a ser o Peter Pan. Escolhi ser homem. Agora que tenho 33, idade em que Cristo foi morto, sinto que, espiritualmente, é o momento certo para dar um salto, depois de ter estado no deserto. Não estou a dizer que sou Jesus... Este é o ano ideal para pregar o evangelho e deixar a minha marca.
(Rufus Wainwright, em conversa telefónica com Maria José Oliveira, Público, Suplemento Ípsilon, 2007/11/02)


Beautiful Child - eis como me sinto hoje.

O Coliseu dos Recreios tem-me dado boas prendas (antecipadas). Há um ano, a prenda não poderia ter sido melhor. Ontem também foi muito bom. Release the Stars não é o meu álbum preferido do Rufus Wainwright, mas ele é um grande cantor e autor. Nunca o tinha visto em Portugal. Até tive direito a "parabéns a você" interpretados por ele e pela banda - eram para o baterista, mas tomei como se fossem para mim.

7 de Novembro

No dia em que passam 90 anos sobre a tomada de São Petersburgo pelos bolcheviques, reedito aqui um texto que escrevi no Blogue de Esquerda há três anos.




Passa-se hoje mais um aniversário da Revolução dos Sovietes, mais concretamente da tomada de São Petersburgo pelos bolchevistas, que viriam a estabelecer pela primeira vez na história um regime socialista. Não me importam todos os horrores que daí advieram (não necessariamente por causa disso); não me importa que o muro de Berlim tenha caído e a URSS seja uma página virada da história; não quero saber se os nostálgicos da União Soviética são hoje um gueto que se recusa a ver e a aceitar o mundo como ele é. Não me importa o que possam dizer. Sempre comemorei e hei-de comemorar esta data por toda a minha vida.

2007/11/06

Mais praxe e provincianismo

O assunto pelos vistos – e pela repercussão que teve – é delicado. Vamos ver se a gente se entende: eu nunca disse (e nem o penso) que “provinciano é tudo o que é de fora de Lisboa”. Disse que a praxe era um costume provinciano, e afirmei que a praxe, pelo menos em Lisboa (que é onde eu conheço melhor o meio académico) é trazida pelos alunos de fora de Lisboa. Não conheço nenhum aluno de Lisboa, a estudar em Lisboa, que seja favorável à praxe. Todos os casos que eu conheço de alunos favoráveis à praxe, em Lisboa, são alunos deslocados. E isto já resulta de vários anos de observação, como aluno e docente. Admiti as limitações da minha amostra – precisava de saber, por exemplo, se há alunos naturais de Lisboa noutras cidades favoráveis à praxe. Mas estou ainda assim convencido de que a praxe não é um hábito de Lisboa. Foi (tristemente) importado pelos alunos de fora que Lisboa recebe.
Daí a concluir que não há provincianos em Lisboa (como se a praxe fosse o único critério para avaliar o “provincianismo”) ou que tudo o que vem de fora de Lisboa é provinciano é um abuso. Não escrevi nada disso, como se pode confirmar. Tais interpretações constituem mais uma manifestação de um complexo de perseguição da parte de quem não é de Lisboa.
É possível que eu não conheça bem o Minho, mas conheço muito bem Lisboa e, particularmente, o Instituto Superior Técnico. Não tem por isso razão nenhuma o Pedro Morgado quando fala nas “afamadas praxes” do Instituto Superior Técnico. Tais praxes, contra as quais me insurgi neste blogue, são um fenómeno recente. A verdadeira “tradição académica” do Técnico sempre foi não ter tradição académica nenhuma (e em particular não utilizar “traje académico”). Se a praxe ressurgiu no Técnico nos anos recentes foi uma evolução lamentável, e foi trazida de fora. O mesmo se pode dizer, aliás, das faculdades tradicionais de Lisboa. A praxe (e a “tradição académica”) em Lisboa viam-se nas “universidades” como a em que o nosso primeiro ministro obteve a sua licenciatura: era a maneira que elas tinham de parecerem universidades a sério. Se há um ressurgimento destas práticas no ensino superior público (que traduz um sentimento elitista de que quem anda na universidade é um “privilegiado”), tal deve-se a serem cada vez menos – e ainda bem - essas universidades “de vão de escada”. Há que dizer que este tipo de comportamentos não são admissíveis em universidades de qualidade. Entretanto creio que nas universidades tradicionais só em Lisboa esta noção foi adquirida. Por isso mantenho que se há praxe em Lisboa, foi trazida de fora. Ainda não vi nada que mostrasse que estou errado.

2007/11/05

Sobre o provincianismo, da praxe e não só

Julguei ter deixado bem claro no meu penúltimo texto sobre a praxe que a minha amostra era limitada e que, portanto, as minhas conclusões não podiam ser definitivas. Nomeadamente não conhecia o comportamento dos alunos naturais de Lisboa mas deslocados. E conheço poucas opiniões de alunos naturais de outras cidades e não deslocados. (Conheço um caso, de um leitor deste blogue, que sempre viveu e fez o curso no Porto e é contra a praxe.) O que escrevi foi que a praxe não era seguramente um hábito oriundo de Lisboa (há registos históricos que o comprovam, e o eloquente comentário que eu citei confirma-o mais uma vez), e que era um hábito provinciano. Deixei bem claro que tal não implicaria que quem fosse de fora de Lisboa fosse a favor da praxe, e muito menos provinciano!
Mas houve quem não entendesse bem a implicação. E tal motivou uma série de insinuações sobre, por exemplo, "a minha ignorância do resto do país." Quem ler este blogue, e mais ainda quem me conhecer pessoalmente, sabe que eu embora não conheça o que se passa em muitas partes do país, não sei só o que se passa em Lisboa (nomeadamente, tenho raízes no distrito de Aveiro). Nem sei por quanto mais tempo vou continuar a viver em Lisboa, e não teria problema nenhum em viver noutro distrito. Mas eu sinceramente nem dou grande crédito às insinuações do Luís Aguiar Conraria, que não me conhece o suficiente para as poder fazer (só revelam uma dor de cotovelo que os lisboetas estão habituados a causar a algumas pessoas). Espero é que o Luís tenha dito o mesmo aos seus amigos, que ele não especificou se eram ou não de Lisboa e que julgavam que Braga era no "interior": que eram uns "ignorantes do resto do país". O que eu queria sobre isto afirmar é que, ao contrário do Luís, eu não tive a sorte (aqui estou mesmo a falar de "sorte") de arranjar um emprego académico antes de iniciar o meu doutoramento. (O Luís é um típico liberal português: teve desde o princípio o futuro garantido e sempre o salário ao fim de todos os meses, pago pelo bom Estado, é claro.) Isso levou a que percorresse diversos pontos do mundo (EUA e Europa) ao longo da minha carreira académica. Não me estou aqui a queixar de nada: não me arrependo de ter escolhido esta carreira e ter tomado estas opções. Conheço várias universidades e muitos antigos alunos de vários países, e sei que algo como a praxe não é visto em mais nenhum país civilizado. (E conheço muitas festas, e sei que a Festa do Avante é muito boa em qualquer parte do mundo.)
Também não quero com isto dizer que me considero de alguma forma "melhor" do que outras pessoas que tenham vivido sempre em Portugal, dentro ou fora de Lisboa. Tudo isto são opções de vida. Só que no meu caso, as minhas opções de vida levaram-me a passar muitas fronteiras. E sempre vi como se vivia para além dessas fronteiras. Para mim os EUA não são só Nova Iorque, Nova Iorque não é só o Rockefeller Center, a França não é só Paris, Paris não é só o Quartier Latin, Portugal não é só Lisboa e Lisboa não é só a Baixa-Chiado.
As acusações que o Luís me faz de "incapacidade de passar da sua minúscula fronteira", por isso, em mim fazem ricochete. E reafirmo tudo o que escrevi.

2007/11/02

A lição da África do Sul

A África do Sul, pese os problemas graves que se mantêm, está infinitamente melhor do que todo o continente africano e, sobretudo, conseguiu essa proeza impensável de sair do regime intolerável do apartheid por via pacífica e democrática, evitando a guerra civil e a desforra dos negros contra os brancos, como sucedeu no vizinho Zimbabwe. No Zimbabwe, o racismo negro determinou a expulsão e o confisco de todas as terras dos brancos, conduzindo à ruína alimentar, à fome e à miséria o que fora o mais próspero território agrícola de África. Sob o comando desse criminoso corrupto e sanguinário que é Mugabe (que Sócrates insiste à viva força em deixar vir à cimeira Euro-África de Lisboa), o Zimbabwe transformou-se num quadro de terror e de devastação humana que, mesmo em África, ultrapassa tudo o que é tolerável. A África do Sul, pelo contrário, teve a sorte de encontrar em Nelson Mandela um líder que, em lugar do ressentimento e do ódio, que até seriam compreensíveis, demonstrou, desde o primeiro dia no poder, que buscava antes o perdão, a reconciliação e a prosperidade para o seu país.

O que vimos neste Mundial de râguebi, com o triunfo de uma selecção sul-africana composta essencialmente por brancos e mulatos, não seria, obviamente, possível de acontecer no Zimbabwe. E, infelizmente para o seu povo, que não tem culpa dos dirigentes que tem, o Zimbabwe nunca será conhecido por estas ou outras boas razões e nunca beneficiará, à escala planetária, de uma tão boa promoção como a que a África do Sul ficou agora a dever à sua selecção de râguebi.

O triunfo da África do Sul ensina-nos uma lição que só os ditadores, os racistas e os particularmente estúpidos se recusam a ver: que África não é dos negros, nem dos brancos, como se proclamava até aos anos sessenta, nem dos árabes, como se garantia antes disso. África é dos africanos, independentemente da cor da pele: dos que lá nasceram, lá criaram raízes e lá pretendem morrer. Não há nada mais redutor e idiota do que querer julgar a História à luz dos critérios políticos e de justiça social contemporâneos. Até meados do século XX, a história das nações não foi mais do que a história das conquistas e das derrotas e das sucessivas migrações dos povos a elas associadas. Querer negar que os europeus fizeram e fazem parte de África é o mesmo que negar que os mouros fizeram parte da história da Península ou que os negros de África fizeram, forçadamente, parte da história do Brasil. O que aconteceu, aconteceu porque foi inevitável e até natural, pelos padrões da época. Ser anticolonialista é perceber justamente que o que era natural e tido como legítimo dantes, deixou de o ser depois. Não é pretender ajustar contas com a História, perseguir os que ficaram para trás por amor à terra onde nasceram (e muitas vezes sem outra a que pudessem chamar sua) e transformar a independência conquistada a ferros numa oportunidade espúria para uma vingança fora de prazo, de que os povos autóctones acabam, a maior parte das vezes, por ser as maiores vítimas.
(Miguel Sousa Tavares, A Bola, 2007/10/23)